Tamanho do texto

Presidente ainda deve fazer um pronunciamento para explicar o que pode mudar; até agora, somente as regras para a idade mínima foram reveladas

Bolsonaro entregará pessoalmente, nesta quarta-feira (20), a proposta de reforma da Previdência para o Congresso
Valter Campanato/Agência Brasil
Bolsonaro entregará pessoalmente, nesta quarta-feira (20), a proposta de reforma da Previdência para o Congresso

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) chegou pessoalmente, às 9h30 desta quarta-feira (20), à Câmara dos Deputados, para entregar a proposta de reforma da Previdência para o Congresso Nacional. A informação já havia sido adiantada pelo secretário de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, e foi posteriormente confirmada pelo porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros.

Leia também: Reforma da Previdência deve igualar regras para novos políticos às do INSS

O presidente também deve fazer um pronunciamento à população para enfim divulgar informações sobre as mudanças a serem propostas para a Previdência . A Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência, porém, ainda não confirmou se o discurso será transmitido via rádio e TV ou pela internet, nas redes sociais de Bolsonaro.

Até agora, apenas a adoção de uma idade mínima para a aposentadoria – de 62 anos para as mulheres e de 65 para os homens –  foi revelada pelo governo. No último dia 14, em entrevista à imprensa, Marinho afirmou que os valores são um meio termo entre o que defendiam os integrantes do governo, uma vez que o presidente queria 60 anos para mulheres e 65 para homens e sua equipe econômica propunha 65 anos para ambos os gêneros.

Leia também: Endividados, estados e municípios seguirão novas regras da Previdência

"Nós conversamos com ele, e o presidente tem sensibilidade. [Bolsonaro] entendeu também as condições da economia e fez a distinção do gênero. Ele acha importante que a mulher se aposente com menos tempo de contribuição e trabalho do que o homem e nós conseguimos encurtar um pouco essa questão da transição", declarou o secretário.

Expectativas para a votação

Pelos cálculos do vice-presidente Mourão, o governo precisa de
Romério Cunha/Vice-Presidência da República
Pelos cálculos do vice-presidente Mourão, o governo precisa de "60 a 70 votos" para aprovar a nova Previdência

Na tarde de ontem (19), o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB), declarou que faltam "de 60 a 70 votos" de parlamentares para que o governo consiga aprovar o projeto de reforma da Previdência proposto. Segundo o general, o texto já reúne 250 votos favoráveis.

"A gente sabe que a oposição tem em torno de 150 votos [contra a reforma da Previdência]. Então sobram 363 para serem garimpados. Acredito que temos 250. Então entre 60, 70 votos terão que ser buscados", calculou Mourão.

Leia também: Faltam de 60 a 70 votos para aprovar reforma da Previdência, calcula Mourão

Depois de encaminhado ao Congresso, o texto será analisado pela Câmara dos Deputados e precisará ser aprovado em dois turnos, com pelo menos 308 votos em cada um. Se passar pelos parlamentares, a reforma da Previdência  parte para o Senado Federal, onde precisará obter 49 votos favoráveis, também em dois turnos diferentes.