Tamanho do texto

Economia brasileira deve crescer 1,3% em 2018 e 2,5% neste ano; recuperação do Brasil deve compensar piora no PIB da América Latina

A equipe do presidente Jair Bolsonaro embarcou para o Fórum Econômico Mundial, em Davos, onde foram apresentadas as perspectivas do FMI para a economia brasileira
Agência Brasil/Alan Santos
A equipe do presidente Jair Bolsonaro embarcou para o Fórum Econômico Mundial, em Davos, onde foram apresentadas as perspectivas do FMI para a economia brasileira


O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu estimativa de crescimento da economia brasileira em 2018, mas elevou a projeção para este ano. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (21), no relatório Perspectiva Econômica Mundial, apresentado no Fórum Econômico Mundial, que acontece em Davos, na Suíça.

A previsão é de que o PIB (Produto Interno Bruto) do País cresça 1,3%, um ponto percentual (p.p) a menos do que o estimado na projeção anterior (1,4%), feita em outubro do ano passado.  Essa é a terceira vez consecutiva que o FMI diminui a estimativa para o crescimento da economia brasileira em 2018

O resultado oficial do PIB do ano passado será divulgado no dia 28 de fevereiro através do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Já para este ano, o fundo ampliou a projeção de crescimento para 2,5% - um salto de um p.p em relação à ultima previsão, que era de 2,4% . De acordo com a instituição, "a recuperação gradual da economia deve continuar".

Também nesta segunda-feira, o Banco Central (BC) divulgou, através do Boletim Focus, sua expectativa para o PIB do Brasil em 2019: 2,53%.

Para 2020, o BC prevê crescimento de 2,6% na economia, enquanto o  Fundo Monetário Internacional projetou avanço de 2,2%.

Além de projeções para economia brasileira, FMI revelou expectativas para o crescimento mundial e da América Latina 

Crescimento da economia brasileira em 2019 deve compensar piora nos índices da América Latina, impulsionados por México, Argentina e Venezuela
iStock
Crescimento da economia brasileira em 2019 deve compensar piora nos índices da América Latina, impulsionados por México, Argentina e Venezuela


Para a economia mundial, o FMI manteve a previsão de crescimento de 3,7% em 2018. Já para 2019 e 2020, o fundo prevê uma queda no PIB global : as projeções caioram para 3,5% e 3,6%, respectivamente.

Segundo a instituição, a piora no cenário mundial se deve a um crescimento menor das economias mais ricas, assim como uma diminuição na expansão de mercados emergentes e economias em desenvolvimento em 2019.

Já para a América Latina , o FMI reduziu a expectativa de expansão em 0,2 p.p para 2019 e 2020. Neste ano, os países latinos devem crescer 2,0% e 2,5% no ano que vem. 

Leia também: Mais de 60 milhões de latino-americanos estão em situação de extrema pobreza

De acordo com o relatório, o crescimento da economia brasileira em 2019 ajudou a compensar a piora nas projeções para a América Latina, principalmente em países como México, Argentina e Venezuela. "Estas revisões se devem a um corte das perspectivas de crescimento do México em 2019 e 2020, refletindo menos investimentos provados, e uma contração ainda mais severa na Venezuela", afirmou  o FMI.



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas