Tamanho do texto

Em reunião com cúpula de deputados do DEM, o capitão reformado afirmou ainda que leis trabalhistas tem que se aproximar da informalidade; veja vídeo

Bolsonaro cobrou que leis trabalhistas sejam mais próximas da informalidade, reafirmando a dificuldade ser patrão no Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Bolsonaro cobrou que leis trabalhistas sejam mais próximas da informalidade, reafirmando a dificuldade ser patrão no Brasil

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), voltou a falar sobre as dificuldades de ser empresário no Brasil e reforçou críticas às leis trabalhistas em vigor no País, chegando a cobrar que estas se aproximem do trabalho informal. As declarações foram feitas durante reunião com parlamentares do DEM, nesta quarta-feira (12), em Brasília.

Leia também: Merkel avalia que Bolsonaro dificulta acordo entre União Europeia e Mercosul

"As leis trabalhistas têm de aproximar, no que for possível, da informalidade", afirmou Bolsonaro, em trecho de vídeo transmitido ao vivo pelo deputado federal Francisco Floriano (DEM-RJ) em seu Facebook. Confira o vídeo abaixo:


O capitão reformado também fala sobre outras questões, como a demarcação de terras indígenas e de quilombolas e as mudanças no Brasil. "Não demarcarei 1 cm² de terra a mais", disse Bolsonaro, acrescentando ataques ao PT e cobrando união da direita. "Nós agora somos governo, não é mais a esquerda. Mas nós temos que estar unidos."

Bolsonaro ainda afirma que "não quer impor, não vai, e sequer tem força para impor coisas de sua cabeça", reforçando a necessidade de união , sugerindo mostrar os projetos aos líderes de partidos antes de enviá-los ao Congresso, para aumentar a chance de aprovação. "Dá para mudar o destino do Brasil, depende de nós. E todo mundo vai ganhar com isso, sem exceção", argumentou.

Sobre sua força popular e o crescimento do PSL, seu partido, o presidente eleito questiona: "Quem sou eu para levar 30 mil pessoas [a Juíz de Fora, em comício]? Não sou eu, é o simbolismo de ser diferente. Eu jamais esperava fazer 15 deputados federais, fizemos 52."

A cobrança de união e a necessidade desta para "vencer a guerra" contra a esquerda marcaram o discurso de Bolsonaro. "Se a gente der errado, o PT volta. A gente enfrenta esses caras desde 1922, esse tipo de filosofia. Eles hibernam, esperam o momento adequado para voltar das cinzas, como estão agora. Eu não quero eliminar o PT, eu quero colocá-lo em seu devido lugar pelo voto."

Leia também: Bolsonaro diz que quer "fatiar" reforma da Previdência e priorizar idade mínima

Leis trabalhistas no governo Bolsonaro

Luciano Hang, dono da Havan, é citado por Bolsonaro em sua crítica às leis trabalhistas
Reprodução
Luciano Hang, dono da Havan, é citado por Bolsonaro em sua crítica às leis trabalhistas

O presidente eleito se mostra a favor da maior liberdade da economia e do menor contole do estado às relações entre empresários e trabalhadores , e, mais uma vez, criticou a legislação trabalhista e argumentou que é difícil ser patrão no País, falando também programas sociais.

Bolsonaro conta com Paulo Guedes , seu 'superministro' da Economia, para aprovar reformas estruturais de cunho liberal, entre elas uma nova revisão da lei trabalhista, que buscaria estimular investimentos e passar confiança ao empresariado, ao prometer maior flexibilização do trabalho.

Apesar de não dar detalhes, é esperado que os pontos no artigo 7º da Constituição, que trata de direitos como a previsão do pagamento de 13º salário, férias, salário mínimo e outras questões não sejam alteradas. Durante a campanha, seu vice, Hamilton Mourão, caracterizou o 13º salário como "jabuticaba", sendo prontamente corrigido.

Ao reafirmar a dificuldade de ser empresário no Brasil, Bolsonaro cita o caso de Luciano Hang , da empresa Havan, que recebeu multa de R$ 100 milhões por supostamente ter coagido funcionários a apoarem o presidente eleito durante o período eleitoral.

"Nós queremos que tenha fiscalização sim, mas que chegue no órgão a ser fiscalizado e que a empresa seja atendida como amiga. Vê o que está errado, faz observações, dá um prazo, e depois volta pra ver se a exigência foi atingida. E aí multa. Não fazer como está aí", disse o presidente eleito.

Leia também: Temer diz que PIB chegaria a 3,5% no ano, não fosse a greve dos caminhoneiros

"Eu, por exemplo, poderia ter uma microempresa com cinco funcionários, não tenho porque eu sei das consequências se meu negócio der errado ou quiser mandar alguém embora", afirmou Bolsonaro ao defender a flexibilização das leis trabalhistas no Brasil.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.