Tamanho do texto

Leilão acontece quando BC vende o valor com a promessa de recomprá-lo daqui alguns meses; dólar registrou o maior valor de venda desde outubro

Na segunda-feira (26), alta do dólar foi de 2,51%, atingindo o maior nível desde o dia 2 de outubro
Reprodução
Na segunda-feira (26), alta do dólar foi de 2,51%, atingindo o maior nível desde o dia 2 de outubro


O Banco Central (BC) informou que vai leiolar, nesta terça-feira (27), US$ 2 bilhões de suas reservas internacionais para conter a alta do dólar. O anúncio foi feito após a moeda americana registrar seu quinto aumento consecutivo na segunda-feira (26), chegando ao valor de R$ 3,91.

Leia também: Dívida pública cai 0,44% e chega a R$ 3,763 trilhões em outubro

A medida, firmada pelo Banco Central para acalmar o mercado depois de seguidas altas do dólar , é também chamada de leilão de linha. Serão US$ 2 bilhões de seus recursos ofertados em duas etapas, das 12h15 às 12h20 e das 12h35 às 12h40, que devem ser recomprados pela instituição financeira daqui a alguns meses. 

Essa é a primeira vez que o BC decide realizar um leilão desde agosto, quando pôs a venda US$ 1,25 bilhão , que devem ser comprados de volta até o próximo dia 4 de dezembro.

A decisão pela intervenção no câmbio foi tomada após a moeda americana fechar o dia, ontem (27), com alta de 2,51%, a R$ 3,918. Esse foi o maior valor de venda desde o dia 2 de outubro, quando estava cotado a R$ 3,9333. O aumento registrado ontem também foi o maior, em termos percentuais, visto desde 14 de junho.

Cenário político internacional colaborou com a alta do dólar

Alta do dólar tem a ver com cenário político externo; um exemplo é o encontro do presidente dos EUA, Donald Trump, com o presidente chinês  Xi Jinping
Reprodução/Instagram/@realdonaldtrump
Alta do dólar tem a ver com cenário político externo; um exemplo é o encontro do presidente dos EUA, Donald Trump, com o presidente chinês Xi Jinping


A alta registrada na segunda-feira (26) também pode ser observada em maior âmbito. Nas últimas cinco sessões, o dólar registrou valorização de 4,75% ante o real. Já no resultado parcial do mês de novembro, o aumento é de 5,24%, enquanto a alta acumulada do ano fica em 18,23%.

Às 10h30 da manhã de hoje (27), a moeda americana operava em baixa de 0,31%, vendida a R$3,9053.

No relatório Boletim Focus, divulgado ontem pelo Banco Central , o mercado financeiro projetou cotação de R$ 3,70 para o dólar no fim de 2018, a mesma estimada no levantamento da semana passada (19) . Na previsão para 2019, entretanto, houve aumento: de R$ 3,76 para R$ 3,78

A alta do dólar está diretamente ligada ao cenário externo, que tem sido palco de situações delicadas e que podem influenciar a economia internacional. Enquanto, no último fim de semana, a União Europeia aprovou a saída do Reino Unido do bloco , há grandes expectativas e medo de turbulência no encontro marcado entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o chinês, Xi Jinping, no próximo fim de semana. Trump declarou, recentemente, que espera aumentar as tarifas sobre as importações chinesas, o que deixa os investidores mais apreensivos. Além disso, a política brasileira também tem sido vista com mais cautela após o resultado das eleições.

*Com informações da Agência Brasil


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.