Brasil Econômico

undefined
Shutterstock
A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi), relativa à parte da dívida pública que pode ser paga em reais, teve o saldo reduzido em 0,17%, passando de R$ 3,628 trilhões para R$ 3,622 trilhões

A Dívida Pública Federal (DPF), que inclui o endividamento interno e externo do Brasil, teve queda de 0,44% e chegou a R$ 3,763 trilhões em outubro. O resultado é R$ 16 bilhões menor do que o registrado no mês anterior (R$ 3,779 trilhões). Os dados fora divulgados nesta segunda-feira (26), em Brasília, pela Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda.

Leia também: Governo bloqueia R$ 2,36 bilhões em despesas do orçamento de 2018

A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi), relativa à parte da dívida pública que pode ser paga em reais, teve o saldo reduzido em 0,17%, passando de R$ 3,628 trilhões em setembro para R$ 3,622 trilhões em outubro.

Esse resultado positivo foi influenciado pelo resgate líquido (mais vencimentos do que emissões) de títulos públicos no valor de R$ 32,81 bilhões, compensado parcialmente pela apropriação de juros (R$ 26,54 bilhões) no período. A apropriação representa o reconhecimento gradual das taxas que corrigem os juros da dívida mensalmente, conforme o indexador de cada papel.

O estoque da Dívida Pública Federal externa (DPFe), por sua vez, relativo àquela captada em dólares no mercado internacional, também teve redução. A queda chegou a 6,73% sobre o saldo apurado em setembro (R$ 151,12 bilhões ou US$ 37,74 bilhões), encerrando o mês de outubro em R$ 140,95 bilhões (US$ 37,91 bilhões).

Com o resultado de outubro, a DPF se mantém abaixo das previsões do Tesouro. De acordo com o Plano Anual de Financiamento divulgado em janeiro, a tendência é que o estoque da DPF encerre o ano entre R$ 3,780 trilhões e R$ 3,980 trilhões.

Leia também: Prévia da inflação de novembro indica menor valor desde 2003, diz IBGE

Por meio da dívida pública, o governo pega recursos emprestados dos investidores para honrar compromissos. Em troca, ele se compromete a devolver o dinheiro com alguma correção, que pode ser definida com antecedência, no caso dos títulos prefixados, ou seguir a variação da Selic , a taxa de juros básica da economia, da inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) ou do câmbio.

Detentores da dívida pública

undefined
Shutterstock
No mês passado, segundo o Tesouro, os maiores detentores da dívida pública eram os fundos de investimento, respondendo por 25,99% do total de títulos e somando R$ 941,52 bilhões em papéis

O endividamento do Tesouro varia de acordo com a oferta de títulos públicos em leilões pela internet (Tesouro Direto) ou pela emissão direta. Os empréstimos tomados de uma instituição ou de um banco de fomento, destinados a financiar o desenvolvimento de uma determinada região, também contribuem para o aumento da DPF. Já a redução do endividamento se dá, por exemplo, pelo resgate de títulos.

Em outubro, os maiores detentores dos títulos públicos federais eram os fundos de investimento, respondendo por 25,99% do total da dívida e somando R$ 941,52 bilhões em papéis. O grupo Previdência ficou em segundo lugar, com uma participação relativa de 25,29% (R$ 915,9 bilhões).

Leia também: Economia cresceu 1% entre o segundo e o terceiro trimestre, aponta FGV

Em seguida, estão as instituições financeiras com 22,66%, com R$ 820,64 bilhões. Os estrangeiros representam 11,97% (R$ 433,41 bilhões). Já o governo possui 4,17% da dívida pública (R$ 150,89); as seguradoras, 4,01% (R$ 145,22 bilhões); e outros, 5,92% (R$ 214,52 bilhões).


*Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários