Tamanho do texto

Índice registrou alta de 4 pontos em relação ao mês passado; dados acompanham a expectativa de melhora no cenário econômico após Eleições

Índice de Confiança do Consumidor cresceu 4 pontos em outubro, diz FGV
shutterstock
Índice de Confiança do Consumidor cresceu 4 pontos em outubro, diz FGV


Os consumidores estão mais confiantes para realizar compras, aponta pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e divulgada nesta quarta-feira (24).  De acordo com o Índice de Confiança do Consumidor, medido pela fundação, a confiança para comprar cresceu quatro pontos em outubro.

Leia também: Com desemprego e eleições, confiança do consumidor fica estável em setembro 

Depois de dois meses de queda, em que registrou 83,8 pontos em agosto e 82,1 pontos em setembro, o indicador da FGV alcançou 86,1 neste mês. Segundo a pesquisa, a volta do crescimento da confiança do consumidor se deve às expectativas para o desfecho das Eleições 2018 e, consequentemente, à redução da incerteza política.

“O resultado mostra que, apesar de ainda não ter o resultado das urnas, o consumidor está esperançoso e otimista em relação aos próximos meses", afirma Viviane Seda Bittencourt, coordenadora do setor de Sondagem ao Consumidor da fundação. Para ela, a expectativa de mudanças na condução da política econômica do próximo governo é um dos fatores que impulsionou o índice. Mas nem só do consumidor esses números dependem: “O efeito “lua de mel” é esperado, mas a continuidade desses ganhos na confiança dependerá de ações efetivas do próximo Presidente”, explica.

Para compreender melhor o cenário de otimismo , a FGV também divulgou dados do Índice da Situação Atual (ISA) e do Índice de Expectativas (IE). Enquanto o ISA apresentou piora  de 0,4 pontos, passando de 72,3 para 71,9, o IE subiu 6,9 pontos e registrou o maior nível desde abril de 2018, quando tinha 99 pontos. Agora, o IE registra 96,6 pontos.

Leia também: Maior preço de combustíveis e alimentos resultam em alta da inflação de outubro 

O indicador que mais influenciou na retomada do crescimento da confiança foi a alta do Ímpeto de Compras, que mede a intenção de compras de bens duráveis. Depois de cair dois meses consecutivos, esse marcador cresceu 12 pontos no último mês, atingindo 90,7 pontos, o maior patamar desde outubro de 2014.

Confiança do consumidor cresce em quase todas as classes sociais

Os Índices de Confiança do Consumidor foram ampliados em quase todas as classes sociais
shutterstock
Os Índices de Confiança do Consumidor foram ampliados em quase todas as classes sociais


Leia também: Crises fizeram Brasil "perder" 36 mil milionários em um ano 

Quando pensado por faixas de renda, os índices de confiança do consumidor foram ampliados em todas as classes sociais, exceto para famílias que ganham entre R$ 4,800 e R$ 9,600. Levados pela grande expectativa de melhora na situação financeira com um próximo governo, com intenção de compra de bens duráveis, mais emprego e melhoras econômicas no geral, o destaque ficou para a classe de menor poder aquisitivo, com renda até R$ 2,100 mensais, que teve uma elevação de confiança de 9,3 pontos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.