Tamanho do texto

Segundo relatório do Credit Suisse, País "destruiu" uma riqueza de US$ 380 bilhões no período; desvalorização cambial também contribuiu para o recuo

Em 2017, de acordo com o relatório do Credit Suisse, havia 190 mil milionários no Brasil; agora, são 154 mil. No mundo, o País lidera a lista dos que mais perderam milionários no período
iStock
Em 2017, de acordo com o relatório do Credit Suisse, havia 190 mil milionários no Brasil; agora, são 154 mil. No mundo, o País lidera a lista dos que mais perderam milionários no período

Entre os meses de junho de 2017 e 2018, o número de brasileiros com mais de US$ 1 milhão caiu 19%, o que corresponde a 36 mil milionários a menos no país. Segundo relatório publicado pelo banco Credit Suisse nesta quinta-feira (18), a forte desvalorização cambial e as crises econômica e política são as grandes responsáveis por esse recuo.

Leia também: Pagamento do 13º salário vai injetar mais de R$ 200 bilhões na economia

O estudo, chamado de "Riqueza Global", acompanha a variação de milionários no mundo e a tendência no tempo. Em 2017, de acordo com o Credit Suisse, havia 190 mil milionários no Brasil; agora, são 154 mil. No mundo, o País lidera a lista dos que mais perderam milionários no período analisado, com uma "destruição" de riqueza que soma US$ 380 bilhões.

O número de milionários é visto como um sinal de saúde econômica de um país e de sua capacidade de gerar riquezas. Entre os meses de junho do ano passado e deste ano, a fortuna global agregada cresceu US$ 14 trilhões – um avanço de 4,6% – e chegou a US$ 317 trilhões. Ao todo, existem 42,2 milhões de milionários no mundo, 2,3 milhões a mais do que o verificado no estudo anterior.

Ainda segundo o relatório, em termos nominais, a riqueza por adulto no Brasil em reais cresceu desde 2011, mas a maior parte desses ganhos está ligada à inflação . Em dólares, porém, o índice registrou queda de 36% no mesmo período. Para este ano, a riqueza média por adulto foi estimada em US$ 16.664 (R$ 62 mil); no mundo, esse valor é de US$ 63.100 (R$ 234,7 mil).

"A história da economia brasileira e da riqueza de suas famílias tem sido uma história de rápida expansão e estouro da bolha", escreveu o Credit Suisse. No documento, o banco ainda ressaltou que a inflação está subindo, o desemprego estava em 12% em meados do ano – a mesma porcentagem registrada em setembro – e o PIB (Produto Interno Bruto) deve crescer apenas 1,5% em 2018.

O relatório também apontou que o País tem cerca de 3 milhões de representantes entre os 10% mais ricos do mundo, além de 184 mil pessoas entre o 1% mais rico. Mesmo assim, 74% da população brasileira tem menos de US$ 10 mil, uma fatia 10 pontos percentuais maior do que a média mundial (64%). Para o banco, "isso é resultado do alto nível de desigualdade do país".

Leia também: Indicador do PIB aponta crescimento na economia brasileira pelo terceiro mês

Vale ressaltar que, para estar na metade mais rica da população mundial no fim de junho, bastava ter ativos líquidos no valor de US$ 4.210 (R$ 15,7 mil). Para fazer parte dos 10% mais abastados, no entanto, eram necessários US$ 93.170 (R$ 346,6 mil), enquanto o 1% mais rico exigia US$ 871.320 (R$ 3,2 milhões).

Panorama global de milionários

Atrás dos milionários brasileiros (US$ 380 bilhões), aparecem os turcos (US$ 190 bilhões) e os argentinos (US$ 130 bilhões) como os que mais perderam riquezas entre 2017 e 2018
Shutterstock
Atrás dos milionários brasileiros (US$ 380 bilhões), aparecem os turcos (US$ 190 bilhões) e os argentinos (US$ 130 bilhões) como os que mais perderam riquezas entre 2017 e 2018

Atrás do Brasil (US$ 380 bilhões), aparecem a Turquia (US$ 190 bilhões) e a Argentina (US$ 130 bilhões) como os países que mais perderam riquezas entre os meses de junho de 2017 e 2018. O Credit Suisse lembra, porém, que o resultado da Venezuela foi provavelmente pior, mas que não é possível fazer uma estimativa confiável por causa do colapso cambial do país.

Leia também: Projeção para a inflação tem 5ª alta consecutiva e chega a 4,43%, indica Focus

Os Estados Unidos, em contrapartida, lideraram os ganhos de fortuna com 878 mil novos milionários, número que corresponde a impressionantes 40% do crescimento mundial. A valorização do dólar , bem como a recuperação da economia norte-americana, que está em um dos maiores ciclos de crescimento da história, ajudam a explicar esse movimento.

Na Europa, Alemanha, França, Itália e Reino Unido ganharam cerca de 200 mil milionários cada. Na Ásia, mais especificamente na China e no Japão, foram 186 mil e 94 mil novos milionários, respectivamente. No ranking global de maiores fortunas, a China aparece em segundo lugar, ficando atrás apenas dos EUA.

Com a desaceleração da economia brasileira nos últimos três anos e a crise cambial na Argentina, o Credit Suisse espera que o crescimento das riquezas na América Latina perca força. Segundo o relatório, o continente deve crescer o equivalente a "três anos dos EUA de 1944", chegando a quase US$ 9 trilhões em termos reais até 2023.

Leia também: Mercado reduz em R$ 4 bilhões a previsão de rombo nas contas públicas para 2018

O aumento mundial no número de milionários , porém, não impediu que a desigualdade social diminuísse ou ao menos estagnasse. De acordo com o banco suíço, cerca de 3,2 bilhões de pessoas – ou 64% da população adulta – vivem com uma fortuna inferior a US$ 10 mil, correspondendo a 1,9% de toda a riqueza global.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.