Tamanho do texto

No dia do Casamento Real, em que a atriz americana se casou com o príncipe Harry, a empresa fez publicação de um chocolate "vestido de noiva" e gerou polêmica; post foi posteriormente apagado e empresa pediu desculpas

Usuários da rede social consideraram que a confeitaria alemã Super Dickmann’s foi extremamente racista
Reprodução/Super Dickmann's
Usuários da rede social consideraram que a confeitaria alemã Super Dickmann’s foi extremamente racista

Uma confeitaria da Alemanha está sendo acusada de ser racista após publicar uma imagem em referência ao Casamento Real britânico e à noiva, a atriz americana Merghan Markle, no último sábado (19). Na publicação, que já foi deletada, a empresa coloca um marshmallow de chocolate ao leite “vestido de noiva” e, na legenda, coloca: “O que você está olhando? Você também não gostaria de ser Meghan hoje?”.

Leia também: Por publicação racista durante o Carnaval, funcionário é demitido de empresa

O post no Facebook gerou repercussão negativa, já que muitos usuários da rede social consideraram que a confeitaria alemã Super Dickmann’s foi extremamente racista . Uma pessoa escreveu, por exemplo, que a campanha “é patética” e que “esperava que houvesse consequências financeiras para a empresa”.

Porque a repercussão foi tão negativa, a empresa decidiu despublicar a imagem, pedindo desculpas pela gafe. Na mensagem, a companhia diz: “"Um grande perdão! O mundo do Super Dickmann's é colorido e diversificado, e longe de pensamentos racistas", escreve.

Meghan Markle , de 36 anos, cuja mãe, Doria Ragland, é negra, vem sendo alvo de racismo desde o começo de sua relação com o príncipe Harry. Ela chegou a falar disso com a imprensa dos EUA.

 Em depoimento a revista americana “Elle”,  Meghan afirma sentir orgulho das suas raízes. "Minha herança miscigenada, por um lado, já me colocou em uma zona cinzenta no que diz respeito à maneira como eu me identifico. Mas por outro, ter um pé em cada lado dessa cerca me fez abraçar isso. Para dizer quem eu sou e de onde vim. Para expressar meu orgulho de ser uma mulher miscigenada forte e confiante.", disse Meghan.

Heineken acusada de ser racista em campanha

Outra empresa que foi recentemente acusada de racismo é a cervejaria holandesa Heineken. No caso, a companhia decidiu retirar do ar um comercial do YouTube em que uma garrafa da marca sendo deslizada ao longo de um bar passando por pessoas negras até chegar a uma atriz branca com a frase “Sometimes, lighter is better”.

Leia também: Dove pede desculpas por campanha racista que “transforma” mulher negra em branca

O problema é que a palavra “lighter”, em inglês, pode tanto ser interpretada como algo leve, sem muitas calorias – proposta da linha light da marca – quanto às cores claras. Sendo assim, o anúncio da Heineken pode ser interpretado tanto como “algumas vezes, mais leve é melhor” quanto “algumas vezes, mais claro é melhor”.

Após a propaganda chegar ao ar, o cantor americano Chance The Rapper condenou o comercial da marca em seu Twitter e ainda criticou, dizendo: “Acho que as empresas estão colocando de propósito anúncios visivelmente racistas para que possam obter mais visualizações”.

Leia também: "Lighter is better": Heineken é acusada de racismo e retira campanha do ar

 Em contrapartida, outros usuários disseram que a campanha da cerveja estava focada na bebida e não teve nada de racista . Em nota publicada pelo portal internacional Metro, o porta-voz da marca, Bjorn Trowery, disse que, "apesar de achar que o anúncio tenha feito referência à nossa cerveja Heineken Light, erramos o alvo, vamos usar o feedback [desta ação] para influenciar futuras campanhas". 

*Com informações da Ansa