Tamanho do texto

Em todas as abordagens dos criminosos, ocorridas na cidade de Santo André (SP), foram utilizadas armas de fogo

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) negou recurso da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) e manteve a indenização por danos morais, no valor de R$ 15 mil, a um carteiro que foi assaltando nove vezes ao longo do contrato de trabalho, que durou dois anos. A decisão, por unanimidade, foi da Oitava Turma.

Em todos os assaltos, em Santo André (SP), criminosos utilizaram armas de fogo
Fotos Públicas
Em todos os assaltos, em Santo André (SP), criminosos utilizaram armas de fogo

O juízo de origem não deu ganho de causa ao trabalhador, mas o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP) reformou a sentença, com o entendimento de que o carteiro realizava atividade que o colocava sob risco iminente, em itinerário sabidamente perigoso, sem um mínimo de segurança. A decisão regional, mantida pelo TST, destacou que como a empresa nada fez, ela agiu em evidente abuso do direito, equiparado ao ato ilícito nos termos da lei civil.

De acordo com a reclamação trabalhista, os assaltos ocorreram durante a sua trajetória para a entrega de correspondência no Parque João Ramalho, em Santo André (SP), todos com o uso de arma de fogo. O trabalhador alegou que passou a desencadear patologias de origem emocional que reduziram a sua capacidade laborativa. 

Os Correios se defenderam argumentando que os assaltos são um problema de segurança pública e que providencia escolta para o trabalhador sempre que necessário. No TST, os Correios sustentaram que não ficaram comprovados o dano, o nexo e a culpa.

A relatora do caso, ministra Maria Cristina Peduzzi, no entanto, observou que o TRT constatou a presença dos três elementos: o dano, caracterizado pelos sucessivos assaltos sofridos pelo carteiro enquanto realizava o mesmo itinerário; o nexo causal, pois os assaltos ocorreram em função do trabalho; e a culpa, decorrente do fato de a empregadora deixar de tomar providências em relação ao risco.

A reportagem do iG  entrou em contato com os Correios. A assessoria de imprensa, por meio de nota, disse que a empresa recebeu a notificação e avalia a interposição de recurso.

*Com informações do TST.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.