Kroton e Anhanguera se unem e criam maior grupo de educação do mundo

Por Pedro Carvalho - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Juntas, empresas terão cerca de 1 milhão de alunos e valor de mercado de R$ 12 bilhões

Greg Salibian/iG
Rodrigo Galindo, presidente da empresa resultante da fusão: "possibilidade de sinergias relevantes"

A Kroton e a Anhanguera, os dois maiores grupos de educação do País, anunciaram uma fusão nesta segunda-feira (22), numa operação que cria o maior conglomerado do setor do mundo. A companhia resultante teria faturamento bruto de R$ 4,3 bilhões, cerca de um milhão de alunos e valor de mercado próximo a R$ 12 bilhões. 

A Kroton terá cerca de 57,5% da empresa combinada, enquanto os acionistas da Anhanguera ficarão com 42,5%. As ações da Anhanguera serão incorporadas pela Kroton. Os atuais acionistas da Anhanguera receberão 1,364 ação da Kroton após a aprovação da fusão, que depende de análise do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O presidente da empresa será Rodrigo Galindo, atual presidente da Kroton, e o conselho de administração passa a ser comandado por Gabriel Mário Rodrigues, um dos principais acionistas da Anhanguera. "Será uma empresa maior e mais eficiente, os dois grupos têm complementaridade geográfica e possibilidade de sinergias relevantes", disse Ricardo Scavazza, atual presidente da Anhanguera, que fará parte do conselho da empresa resultante, em teleconferência com o mercado financeiro nesta manhã.

A Anhanguera tem forte presença em São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. A Kroton está mais estabelecida no Mato Grosso, Minas Gerais, Bahia, Santa Catarina e Paraná. Na empresa resultante, 73% da receita virá do ensino superior em campus, 23% do ensino superior em polos associados e 4% de educação básica. O grupo terá cerca de 800 unidades de ensino superior e 810 escolas associadas. 

Além de aumentar a área de atuação, a complementaridade geográfica faz os administradores acreditarem que não haverá maiores problemas no Cade. "Nosso market share [participação de mercado] nacional é baixo, e os múnicipios onde há sobreposição de atuação [ou seja, onde essa participação subiria] são muito poucos", diz Galindo.

- Veja também: Kroton avançou como consolidadora no mercado de educação

"Teremos valor de mercado próximo a US$ 5,9 bilhões (R$ 12 bilhões), o dobro da segunda maior empresa do setor [a chinesa New Oriental, que vale cerca de US$ 3 bilhões]. O ebitda [lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização] será de cerca de US$ 1 bilhão, seremos uma empresa bastante relevante", afirma Galindo.

As duas empresas são listadas no Novo Mercado da BM&F Bovespa e, segundo Galindo, existe expectativa de que agora o grupo passe a fazer parte do IBovespa, índice de referência da bolsa paulistana. O anúncio da fusão fez os papéis da companhias dispararem. A ação da Kroton saltou 8,14%, a R$ 27,19, enquanto o da Anhanguera fecharam com alta de 7,91%, a R$ 36,85. O Ibovespa subiu 0,68%.

Após a aprovação do negócio, serão emitidas 198,8 milhões de ações da Kroton. No dia 30, a empresa vota em assembleia um desdobramento de ações, que poderia alterar a relação de troca dos papéis – os acionistas da Anhanguera passariam a receber 0,45 ação da Kroton.

- Mais: CPI das Universidades pede indiciamento de seis pessoas no Rio de Janeiro

"Foi um negócio entre iguais, o espírito é de uma fusão", disse Galindo. "Poderia haver emissões tanto de uma empresa quanto de outra, mas vimos vantagens jurídicas na emissão da Kroton", afirmou.

Até a aprovação do Cade, as empresas se mantêm independentes. "Não haverá, por enquanto, troca de informações estratégicas e nenhuma integração", afirma Galindo. "O time de integração terá representantes das duas companhias, que têm várias integrações e captações de sinergia em seus históricos", lembra, uma vez que os grupos cresceram em parte com fusões e aquisições.


Leia tudo sobre: krotonanhanguera educacional

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas