Do aluguel de motos para noivos à fotografia feita com quadricópteros, o mercado de matrimônios no Brasil espera crescimento de 8% em 2013

Há cerca de 8.300 empresas especializadas em festas, buffett e filmagem de eventos no Brasil
Thinkstock/Getty Images
Há cerca de 8.300 empresas especializadas em festas, buffett e filmagem de eventos no Brasil

Ainda que realizar um casamento não seja tarefa fácil, as preocupações com o orçamento e os preparativos para o grande dia não parecem desanimar casais apaixonados. O número de matrimônios cresce consistentemente a cada ano no Brasil: a expectativa de faturamento do setor para 2013 é de R$ 16 bilhões, um aumento de 8% em relação ao ano passado, segundo o diretor da Goal Promoções, organizadora da Expo Noivas & Festas, José Luiz de Carvalho Cesar.

Somente em 2011, o Brasil superou a marca de um milhão de casamentos, enquanto as expectativas para 2012 sinalizavam para um total de 1,028 milhão de cerimônias, apontou uma pesquisa realizada em fevereiro do ano passado pela Associação dos Profissionais, Serviços para Casamento e Eventos Sociais (Abrafesta), em parceria com o Data Popular.

O aumento da demanda fez com que novos negócios especializados em serviços para casamento abrissem as portas. Atualmente, existem no País cerca de 8.300 empresas de organização de eventos, bufê e filmagem de festas;  60,5% delas estão concentradas na região Sudeste.

A grande concorrência, no entanto, não impediu que o setor movimentasse bons lucros ao longo dos últimos anos. Para 2012, a estimativa de gastos com festas e cerimônias foi de R$ 14,8 bilhões, um crescimento de cerca de 8% ante 2011, quando as despesas somaram R$ 13,7 bilhões. Entre 2003 e 2012, este crescimento foi de 50%.

“Temos uma possibilidade de crescimento forte nos próximos dez a 15 anos. Além disso, há áreas que mudam. Por exemplo, a fotografia digital, que hoje significa redução de custo e torna mais barata a realização de casamentos”, afirma Cesar.

A proliferação de feiras e exposições são outros eventos que contribuem para alavancar o mercado de casamentos no Brasil. Para o diretor da Goal Promoções, elas encurtam o caminho entre noivos e fornecedores de produtos e serviços, já que aproximam o consumidor e o vendedor, reunindo uma grande diversidade de fornecedores em um só lugar.

“Para os casamentos, é muito importante a multisetoriedade. É difícil reunir os fornecedores, por isso o grande apelo da feira é ter variedade de orçamento e qualidade num ambiente único”, frisa.

Em 2012, as cinco edições da Expo Noivas geraram cerca de R$ 72 milhões em volume de negócios. De acordo com seu diretor, em 2013 espera-se que o volume de negociações do evento permita um crescimento de 10% do setor em comparação com o ano passado.

A próxima edição do evento acontece em São Paulo entre 16 e 19 de maio, no pavilhão amarelo do Expo Center Norte, em São Paulo.

Com o aumento da concorrência, empresas especializadas em festas e casamentos apostam
em originalidade e investem em serviços inovadores e criativos para conquistar clientes. Entre as novidades, está o quadricóptero, um equipamento capaz de captar imagens aéreas da cerimônia. 

A Lh3 Produções é uma empresa de foto e filmagens que apresenta o equipamento em seu
catálogo de serviços. Trata-se de é uma espécie de mini-helicóptero com câmeras acopladas em suas extremidades e pode sobrevoar a mais de cem metros de altura.

“O mercado pede cada vez mais novas tecnologias e qualidade”, afirma o sócio-proprietário da Lh3 Produções, Hugo Kloppel. Para o empresário, a expectativa de aceitação do serviço para os públicos A e B é boa. Ele afirma que o investimento inicial necessário para adquirir o aparelho foi de R$ 50 mil e que a previsão de retorno é de um ano. Para alugar o quadricóptero, o casal precisa desembolsar, em média, R$ 2 mil.

Outra forma de chamar atenção dos convidados no grande dia é chegar à igreja de motocicleta. Por mais estranho que pareça, este tipo de serviço existe e o casal pode contratá-lo por meio de empresas locadoras de veículos especiais. Uma delas é a Pontual Classic, que oferece uma moto, modelo Suzuki Hayabusa, especialmente para noivos que desejam surpreender suas futuras esposas, antes mesmo do “sim”.

“O noivo procura este serviço porque na maioria das vezes o destaque é só pra noiva. Com a moto, o homem também tem direito ao seu glamour”, afirma o diretor comercial da empresa, Leandro Santos.

O aluguel do veículo sai por R$ 900 para casamentos em São Paulo. Para cerimônias realizadas fora da capital, a locadora disponibiliza uma carreta para o transporte da moto. Neste caso, é acrescido R$ 1,50 por quilômetro de distância no valor do aluguel.

Segundo Santos, apesar do investimento inicial de R$ 60 mil, o serviço ainda é pouco comum,
por isso a expectativa de retorno deve demorar pelo menos três anos.

PT Cruiser Limousine da empresa Pontual Classic
Walter Tabarez/Andreas Produções
PT Cruiser Limousine da empresa Pontual Classic

“Nosso faturamento mensal ainda é tímido, pois a moto foi uma estratégia apenas para ajudar a promover nossa marca”, explica. A aposta da empresa para este ano é o carro PT Cruiser na versão limusine, com sete metros de comprimento. O veículo, único no País, será lançado no Expo Noivas & Festas, em São Paulo. O investimento inicial foi o próprio valor da limusine, avaliada em R$ 150 mil. O aluguel sai por R$ 1,8 mil.

Santos se diz confiante com a expectativa de retorno do carro, que gira em torno de dois anos. “Acredito que vamos cobrir os custos dos investimentos antes do período estimado”, diz. “Estamos bastante otimistas. Antes mesmo do lançamento, já temos oito contratos fechados”, completa.

Reinvenção

Apesar dos bons índices do mercado de casamento no Brasil, alguns setores não podem se gabar do mesmo entusiasmo. De acordo com a estilista de vestidos de noiva e sócia-proprietária do ateliê M.Gio, Camilla Giometti, o segmento têxtil costumava crescer cerca de 30% ao ano. No entanto, desde o final de 2012, essa taxa caiu pela metade.

Para Camilla, o motivo da retração é a dificuldade de competir com os custos dos modelos estrangeiros. A alta incidência de impostos e o elevado preço da mão de obra e da matéria-prima encarecem os vestidos nacionais, deixando-os mais caros que os importados.

“Tivemos um crescimento muito grande de dois anos para cá. Mas, agora, estamos crescendo menos do que antes por conta dos vestidos importados. Eles viraram grandes concorrentes”, afirma. “As pessoas estão viajando demais e aqui está tudo muito caro”, acrescenta.

A estilista conta que seu principal foco de trabalho são os vestidos sob medida, de alta costura, e que seus preços estão muito acima dos praticados em países como os Estados Unidos. Seus trajes mais curtos custam, em média, entre R$ 2,5 mil e R$ 3 mil, enquanto os mais longos podem variar de R$ 6 mil e R$ 7 mil. No exterior, segundo ela, os mesmos vestidos custam em torno de US$ 500.

A saída que Camilla encontrou para superar a concorrência foi investir em serviços
diferenciados, como concertos de trajes importados e assessoria às noivas que desejam viajar
e comprar o vestido em outro país. Segundo ela, é preciso “se adaptar, entrar na onda dos
importados e tirar proveito disso”. A assessoria custa R$ 300, já a reforma da roupa sai em
torno de R$ 1,5 mil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.