Tamanho do texto

Segundo ele, economia seria de RS$ 350 bi e 'fundamental para o Brasil'

O ministro da Economia, Paulo Guedes, elogiou a possibilidade de inclusão de estados e municípios na reforma da Previdência por meio de Proposta de Emenda à Constituição (PEC) paralela que já tramita no Senado. 

Paulo Guedes arrow-options
Valter Campanato/Agência Brasil
Paulo Guedes afirmou que, ao ser votada no Senado, reforma pode 'estender e ter uma nova dimensão'

Leia também: Previdência: Bezerra prevê inclusão de estados e municípios

Segundo o ministro, a medida impactaria em uma economia de R$ 350 bilhões e seria fundamental para o Brasil. Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro, que também está na Argentina, afirmou que, caso a possibilidade de incluir estados e municípios na reforma  seja aventada, será por uma PEC paralela.

"Nós estamos falando do Brasil, não é só a União. Se voltam R$ 350 bilhões via Senado, isso é bom para o Brasil, porque estados e municípios também participam desse ajuste que o sistema previdenciário precisa", disse Guedes .

A declaração foi dada na noite desta terça-feira (16) em Santa Fé, na Argentina, onde o ministro partiipará da 54ª Cúpula do Mercosul . "Temos que esperar e eu confio no Congresso. Agora vai entrar em campo o Senado, que tem a possibilidade não apenas de ratificar esta vitória, como também de estender e dar uma nova dimensão, poderia ser estados e municípios", completou.

Leia também: Nova MP da Liberdade Econômica promete "reduzir burocracia"

A estratégia de inclusão de estados e municípios tem ganhado força no Senado, e tem o apoio do provável relator da matéria na Casa, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), também a defende e estimou que a proposta seja votada na Casa entre 45 e 60 dias depois de ser aprovada na Câmara.

A economia esperada por Guedes era de R$ 1 trilhão, mas as alterações no texto da reforma na Câmara,  aprovada em primeiro turno na semana passada, reduziram a R$ 900 bilhões . Depois de muita polêmica, os deputados deixaram mudanças no sistema de aposentadoria de estados e municípios de fora da proposta. Em agosto, a Casa ainda precisa votar a reforma em segundo turno, antes de ela seguir para o Senado.

Questionado se estava satisfeito com a economia de R$ 900 bilhões, Guedes evitou a fazer declarações diretas. "O que eu pedi da reforma da Previdência?  Nós pedimos um trilhão. Quando cedemos o BPC (Benefício de Prestação Continução) e o rural, entendemos. Não gostamos de outros cortes, mas estamos esperando o trabalho do Congresso, confiando e aceitamos o resultado", respondeu.

O ministro comentou ainda que os números indicam uma retomada do crescimento no país. "Nossos indicadores começam a indicar uma ligeira virada", disse Guedes, reforçando que o próximo passo é apresentar a reforma tributária. "Agora vamos entrar com reforma tributária: vamos simplificar e reduzir alíquotas, integrar impostos".

Leia também: Mourão diz que Previdência terá que ser discutida novamente em seis anos

Quanto ao Mercosul, Guedes fez algumas críticas ao bloco, referindo-se ao passado: "O Mercosul serviu para fechar e isolar a economia brasileira. Ou o Mercosul vira instrumento de integração (ao mundo) ou não nos interessa. O Mercosul mudou, mas não temos certeza do futuro. Teremos uma eleição na Argentina".