Tamanho do texto

Professores poderão se aposentar com cinco anos a menos do exigido; Câmara manteve pedágio de 100% do que faltar na data da promulgação

Terminou nesta sexta-feira (12) a votação dos destaques para alterar o texto-base da reforma da Previdência, que foi aprovado pela Câmara dos Deputados na última quarta-feira (10). O segundo turno deve acontecer logo após o recesso parlamentar, que começa dia 18 de julho.

Leia também: Previdência: Após ceder aos policiais, governo perde munição política

Samuel Moreira%2C o relator da reforma da Previdência arrow-options
Divulgação
Samuel Moreira, o relator da reforma da Previdência

Uma das propostas de maior destaque na reforma da Previdência foi apresentada pelo PDT . Ela foi aprovada por 465 votos a 25 e reduziu mais a idade exigida do professor para se aposentar. A idade passa de 55 anos se mulher e 58 se homem para, 52 e 55  respectivamente.

Leia também: Para Onyx, mesmo desidratada reforma garante R$ 900 bilhões de economia

Pedágio de 100% mantido

Apesar da vitória, a  Câmara dos Deputados rejeitou outro destaque do PDT  que tentava eliminar o pedágio de 100% proposto em uma das regras de transição na PEC. Foram 387 votos favoráveis à manutenção do texto como está na proposta, ante 103 contrários.

Leia também: Proposta sobre idosos é negada; trecho em prol da mulher é aprovado

Para quem já está trabalhando, o relator da reforma da Previdência na comissão especial da Câmara, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), sugeriu pedágio de 100% do que faltar na data da promulgação da emenda constitucional para atingir 35 anos de contribuição se homem e 30 se mulher. A idade mínima atual é 60 para os homens e 57 para as mulheres.