Tamanho do texto

Segundo jornal, Joice Hasselmann (PSL) e parlamentares do DEM apostaram R$ 100 cada; quantia será guardada para as discussões da reforma tributária

joice hasselmann arrow-options
Luis Macedo/Câmara dos Deputados - 10.7.19
Parlamentares do DEM e a líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL), apostaram R$ 100 cada

Nem os parlamentares mais otimistas esperavam que o texto-base da reforma da Previdência,  aprovado na noite dessa quarta-feira (10) no plenário da Câmara dos Deputados, passasse com tanta folga pelo colegiado. O placar de 379 votos a 131 deixou o bolão organizado por um grupo de deputados sem ganhadores.

Segundo informações publicadas pelo  O Estado de S. Paulo , parlamentares do DEM e a líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL), apostaram R$ 100 cada. Ao jornal, Joice revelou ter chutado 342 votos, 37 abaixo do resultado final, por ser o mesmo número da votação para abertura do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

"Não é um número bonito, número do impeachment [de Dilma]. Eu lembrei desse número, que foi tão feliz pro País. A gente vai pagar o jantar da vitória da Previdência com esse bolão aí", disse a deputado na última terça-feira (9).

Ainda de acordo com o Estadão , a aposta que chegou mais perto do resultado final foi de 367 votos. Como não houve ganhadores, a ideia é que o prêmio acumule para as discussões da reforma tributária , tida como o próximo desafio do governo no Congresso. Vale lembrar que  já tramita na Casa uma proposta sobre o tema encabeçada por deputados do centrão e apresentada por Baleia Rossi (MDB).

Votação no plenário

Depois de dois dias de debates, tentativas de obstrução e confusões, o plenário da Câmara aprovou, por 379 votos a 131, o parecer da reforma da Previdência enviado pela comissão especial da Casa. O texto precisava de pelo menos 308 votos favoráveis para passar desta primeira etapa. A matéria ainda deve ser votada mais uma vez pelo colegiado antes de seguir para o Senado .

"Nosso sistema previdenciário coloca o Brasil numa realidade muito dura. Essas reformas [tributária e da Previdência] vêm no intuito de reduzir desigualdades. Tenho certeza de que esse é o objetivo de todos os parlamentares, dos que votaram a favor e dos que votaram contra", declarou Rodrigo Maia (DEM), presidente da Câmara, antes de anunciar o resultado da votação.

Nesta quinta-feira (11), o colegiado retomará as discussões sobre a PEC  (Proposta de Emenda à Constituição). Os deputados devem votar os destaques que poderão ou não ser incluídos no texto-base da proposta. Até o momento, há 31 destaques e emendas aglutinativas referentes à reforma da Previdência que devem ser apreciados.