Tamanho do texto

Deputado Marcelo Ramos (PL-AM) disse que a análise do texto pode ocorrer nesta quarta-feira se houver garantias: "Não dá para votar sem segurança"

Marcelo Ramos
Cleia Viana/Câmara dos Deputados - 21.5.19
"Se houver segurança de votos, fazemos a votação nesta quarta-feira", disse Marcelo Ramos

O presidente da comissão especial que analisa a reforma da Previdência , deputado Marcelo Ramos (PL-AM), encerrou a sessão desta terça-feira sem marcar a data da votação da proposta. O relator Samuel Moreira (PSDB-SP) apresentou hoje uma complementação do seu texto, com alterações na proposta.

Leia também: Partidos esperam que PSL não apresente sugestões, diz Maia sobre parecer da PEC

Ramos convocou uma reunião de coordenadores de bancada da comissão para quarta-feira pela manhã. É nesse encontro que serão definidos os próximos passos da reforma . Ramos não quis dar uma data para a votação.

"Teremos reunião 11h dos coordenadores e, a partir daí, apresentamos o calendário. Se houver acordo entre os partidos, o esforço é para votar nesta quarta-feira. Para votar, tem que ter voto. Não dá para votar sem ter a segurança da garantia de votos", disse o deputado.

O presidente da Câmara , Rodrigo Maia (DEM-RJ), quer votar a reforma no plenário da Casa ainda antes do recesso parlamentar.

O presidente da comissão explicou que será preciso adaptar os 109 destaques (pedidos para alterar trechos do relatório) apresentados pelos deputados e pelas bancadas ao novo texto . São 24 destaques de bancada e 85 de parlamentares. Normalmente, apenas destaques de bancada são analisados.

Leia também: Relator volta a permitir contribuição extra de servidores para cobrir déficit

"Uma das questões que podem nos fazer adiar a votação é a possibilidade de retirada dos destaques de bancada, o que agilizaria bastante a votação ", acrescentou.

Além disso, será necessário votar cinco requerimentos de adiamento de votação apresentados pela oposição.