Tamanho do texto

Parecer do relator Samuel Moreira (PSDB-SP) está sendo debatido pelos deputados; ao fim da discussão, texto será enviado ao plenário para votação

samuel moreira
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 13.6.19
A comissão especial que analisa a nova Previdência pode votar o parecer de Samuel Moreira (PSDB) a partir desta terça (18)

Depois de atingir o prazo estipulado pelo pedido de vista – mais tempo para análise – solicitado na semana passada, a comissão especial da Câmara dos Deputados que aprecia a reforma da Previdência começa a discussão do  parecer do deputado Samuel Moreira (PSDB)  nesta terça-feira (18).

Foram dadas duas sessões aos parlamentares para que estudassem a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da Previdência . A primeira delas foi realizada na última sexta (14), no dia seguinte ao da apresentação do relatório de Moreira na comissão especial. A segunda aconteceu na tarde desta segunda-feira (17).

Para abrir uma sessão, é necessária a presença de pelo 52 parlamentares. Líderes governistas atuaram para garantir esse quórum por duas sessões e acelerar a tramitação da reforma. "Conseguimos quórum mais uma vez. Com as sessões de sexta e hoje [segunda], encerramos o período de vista e prosseguimos para a discussão da nova Previdência amanhã", comemorou o líder do governo na Câmara, deputado Major Vitor Hugo (PSL).

Agora, a comissão especial discute a proposta. Nesta etapa, os deputados se inscrevem para discursar a favor ou contra a reforma da Previdência e, uma vez terminado o debate, o texto vai ao plenário do colegiado para ser votado. 

Leia também: Guedes critica recuos no parecer da reforma: "Podem abortar a Previdência"

Se aprovada neste primeiro pleito, a reforma da Previdência segue para o plenário principal da Câmara, onde deve passar por mais duas votações. Para ser encaminhado ao Senado, o texto deve obter pelo menos 308 votos favoráveis (dos 513 possíveis) em ambas. A expectativa do governo é de que a tramitação da PEC na Casa seja encerrada antes do recesso parlamentar de julho.

Troca de farpas

A reforma da Previdência acabou protagonizando um desentendimento entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), na semana passada. Na sexta-feira (14), Guedes criticou o relatório de Moreira, alegando que o tucano teria cedido ao lobby dos servidores públicos, e Maia rebateu dizendo que o ministro estaria criando um crise desnecessária.

"Hoje, infelizmente, é meu amigo  Paulo Guedes  gerando uma crise desnecessária ", disse Maia em entrevista a  GloboNews.  "A vida inteira o ministro da Economia sempre foi o bombeiro das crises. Agora o bombeiro vai ser a Câmara. Nós não vamos dar bola para o ministro Guedes com as agressões que ele fez agora ao parlamento", completou.