Tamanho do texto

Na Argentina, presidente mostrou-se feliz com recentes votações no Congresso e disse que reformas são necessárias para evitar problemas

Jair Bolsonaro
Marcos Corrêa/PR - 6.6.19
Bolsonaro espera que relatório sobre Previdência seja entregue em até duas semanas

Em sua primeira viagem oficial à vizinha Argentina, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) não deixou de falar sobre a reforma da Previdência durante um breve encontro com jornalistas, nesta quinta-feira (6). O presidente mostrou-se satisfeito com as recentes votações na Câmara e disse estar confiante que o relatório sobre a proposta de mudança no sistema de aposentadorias do Brasil seja entregue no máximo dentro de duas semanas.

Leia também: Como fica a mulher na reforma da Previdência? Emendas buscam garantias na lei

Bolsonaro destacou que as propostas são para o benefício da população, e não do governo federal. Além disso, destacou que está "de passagem" pela presidência.

"Fiquei muito feliz pelas ultimas votações no Congresso . Elas não foram atendendo ao governo, e sim ao País. Eu estou de passagem, mas tenho certeza de que o Senado e a Câmara continuarão dando demonstrações de patriotismo", afirmou o presidente. "Espero que o relatório da Previdência seja entregue à Câmara daqui uma ou duas semanas, no máximo", acrescentou.

Leia também: Governadores manifestam repúdio à retirada dos estados da reforma da Previdência

Mesmo com os ânimos entre Executivo e Legislativo acalmados, Bolsonaro reconhece que a reforma da Previdência é um assunto complicado e que, por isso, gera atritos nas discussões sobre a proposta.

"A reforma é uma pauta desgastante, principalmente no que diz respeito à inclusão de estados e municípios", destacou Bolsonaro, que saiu em defesa da agenda de reformas. "Se as reformas não forem aprovadas, como disse o Paulo Guedes, teremos problemas econômicos gravíssimos pela frente", completou.

Leia também: Proposta de capitalização é inconstitucional e de "máximo egoísmo", aponta MPF

O presidente também falou que as finanças municipais e estaduais precisam de organização o quanto antes. "Estados e municípios têm de se ajustar. A maioria deles gasta mais do que arrecada, e o momento (de ajuste) é este. Caso contrário, nem os servidores que estão na ativa terão seus salários garantidos", salientou Bolsonaro .