Tamanho do texto

Acabe com suas dúvidas sobre aposentadoria, tempo de contribuição ao INSS e casos em que não é possível receber o benefício e seguir trabalhando

Aposentados pelo INSS podem, em muitos casos, seguir trabalhando e recebendo o valor que lhes é garantido por lei
Creative Commons
Aposentados pelo INSS podem, em muitos casos, seguir trabalhando e recebendo o valor que lhes é garantido por lei

Muitos trabalhadores ainda têm dúvidas a respeito das condições para aposentadoria no Brasil e perdem a oportunidade de receber o valor e seguir trabalhando. Na grande maioria dos casos, os aposentados pelo INSS podem seguir trabalhando normalmente. 

Leia também: A partir de hoje, aposentadoria só poderá ser pedida por telefone ou internet

A aposentadoria por tempo de serviço é um direito devido ao homem que comprovar o total de 35 anos de contribuição, e à mulher que tiver contribuído à previdência social por 30 anos. Os  aposentados pelo INSS  se dividem em três grandes grupos, que são os da 'Regra 85/95 Progressiva', os que seguem a regra de 30/35 anos de contribuição e a regra da proporcionalidade.

Na regra 85/95 progressiva, é somada a idade da pessoa com o tempo de contribuição. Para homens, a soma precisa resultar 95 ou mais para que ele tenha direito a se aposentar, enquanto para as mulheres o número cai para 85. Para efeito de carência, são exigidos 180 meses efetivamente trabalhados.

Na regra mais simples, só é exigido 35 anos de contribuição dos homens e 30 anos das mulheres. Não há idade mínima e, para efeito de carência, são exigidos 180 meses efetivamente trabalhados.

A regra proporcional foi extinta em 16/12/1998, então só tem direito quem já contribuía até esta data. Ela exige idade mínima de 53 anos para os homens e 48 anos para as mulheres e o tempo de contribuição exigido é de 30 anos + adicional e 25 anos + adicional, respectivamente. Para efeito de carência, são exigidos 180 meses efetivamente trabalhados. O adicional de tempo citado na regra transitória corresponde a 40% do tempo que faltava para o cidadão atingir o tempo mínimo da proporcional (30 anos para homem e 25 para mulher). A aposentadoria proporcional tem valor reduzido, que vai de 70 a 90% do salário de benefício.

Leia também: Aposentados que precisam de cuidador terão adicional de 25%, determina STJ

Quando os aposentados pelo INSS não podem mais trabalhar

Aposentados pelo INSS, em alguns casos, não podem mais trabalhar, como aposentados por invalidez
Divulgação
Aposentados pelo INSS, em alguns casos, não podem mais trabalhar, como aposentados por invalidez

Somente em três casos o aposentado pelo INSS não pode seguir trabalhando e recebendo o benefício:

1 -  Quando a aposentadoria é por invalidez.  Afinal, se a pessoa está inválida, não deve seguir trabalhando, de acordo com a lei. O aposentado por invalidez que queira voltar e comunique o INSS terá o benefício cortado, ou, em casos de incapacidade parcial e permanente, pode conseguir receber um benefício de 50% e seguir trabalhando.

2 -  Quando o trabalhador é servidor público estatutário. Nesse caso, a aposentadoria extingue o trabalho automaticamente.

3 -  Quando a aposentadoria for especial. Sendo assim, a pessoa não pode seguir exercendo atividades que possam colocar em risco a saúde ou a integridade física. Em alguns casos, é possível seguir exercendo a mesma atividade, desde que não seja mais de forma permanente. É usual que quem se aposenta em atividade de risco diminua o ritmo de trabalho de modo a não se expor mais a riscos, desde que documentado.

Todo trabalho remunerado, seja ele de funcionário ou autônomo, requer contribuição para a Previdência Social . Portanto, mesmo quem volta ou quem segue trabalhando após se aposentar precisa contribuir. O valor do benefício não será aumentado com essa 'contribuição extra' de quem segue trabalhando mesmo após aposentado.

Aqueles que continuarem trabalhando na mesma empresa após se aposentarem têm o direito de receber, mensalmente, o FGTS, agora em sua conta particular, não mais em conta vinculada à Caixa Econômica Federal. O depósito por parte da empresa é obrigatório.

A empresa que demitir o funcionário aposentado terá que indenizá-lo pagando todos os direitos trabalhistas. Os dias trabalhados, as férias e o décimo terceiro proporcionais com os devidos acréscimos e multa sobre o saldo do FGTS. O aposentado não terá, no entanto, direito ao seguro-desemprego.

Leia também: Moradores da terceira idade: os cuidados que os condomínios devem ter com idosos

Os documentos originais necessários para que os trabalhadores sejam aposentados pelo INSS são: documento de identificação válido e oficial com foto, número do CPF, carteiras de trabalho, carnês de contribuição e outros documentos que comprovem pagamento ao INSS.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.