Brasil Econômico

Embraer
Agência Brasil/Antônio Milena
União Europeia deve investigar acordo entre Embraer e Boeing para garantir concorrência

A Boeing deve enfrentar uma investigação antitruste da União Europeia sobre sua oferta pelo controle da divisão comercial da brasileira Embraer, disseram fontes familiarizadas com o assunto nesta segunda-feira (23) à agência da notícias Reuters .

Leia também: Nome da nova Boeing-Embraer exclui brasileira e confirma soberania da americana

Uma primeira apreciação do acordo pelas autoridades europeias deve ser concluída até 4 de outubro. O órgão que defende a concorrência no bloco deve, então, iniciar uma investigação que pode durar até cinco meses, segundo as fontes.

Possivelmente, a Boeing teria de fazer concessões para assegurar a concorrência no setor.

O acordo entre as duas empresas dá musculatura à empresa norte-americana para concorrer no setor de jatos, especialmente com os CSeries, projetados pela canadense Bombardier e que têm apoio da principal rival da Boeing, a europeia Airbus .

Além disso,  a Boeing reforça sua estrutura para concorrer com companhias da China, Rússia e Japão que vêm crescendo no setor. O acordo firmado entre Boeing e Embraer avalia a unidade da fabricante brasileira em US$ 4,75 bilhões.

Entenda a fusão entre Embraer e Boeing

boeing
Divulgação/Boeing
Boeing e Embraer buscam, juntas, unir forças e construir empresa aérea de destaque internacional

Enquanto a empresa norte-americana é a principal fabricante de aeronaves comerciais para voos longos, a Embraer lidera o mercado de jatos regionais , com aeronaves equipadas para voar distâncias menores.

A Boeing é uma empresa cuja receita é cerca de 16 vezes maior do que a da Embraer. Em 2017, a brasileira teve arrecadação de US$ 5,8 bilhões, ao passo que a empresa americana arrecadou US$ 93,3 bilhões no mesmo período.

Leia também: Acabou o emprego? Tendência mundial, precarização do trabalho atinge o Brasil

Embraer e Boeing buscam, juntas, unir o melhor de cada uma e organizar uma grande e forte empresa, que seja capaz de competir internacionalmente e se destacar no setor de aviação. O entrave, porém, pode ser a investigação antitruste que pode obrigar a norte-americana a ceder em determinados pontos do acordo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários