Tamanho do texto

Estatal tem amplo plano de "desinvestimentos" que foi marcado nesta semana pela venda da BR Distribuidora; as duas subsidiárias que devem ter controle privado, no entanto, tiveram lucro em 2018, segundo balanço

Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras arrow-options
Fernando Frazão/Agência Brasil - 3.1.19
Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras, anunciou que estatal deve privatizar Liquigás em agosto

A Petrobras prepara estratégia de venda de suas distribuidoras, se aproveitando de decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que permitiu, em junho, a  venda de subsidiárias de empresas públicas sem necessidade de aprovação do Congresso. Roberto Castello Branco, presidente da empresa, disse nesta quinta-feira (25) que a próxima subsidiária na mira é a Liquigás, e o negócio deve ser anunciado em agosto.

Nesta semana, foi anunciada a  privatização da BR Distribuidora em negócio estimado em R$ 9,6 bilhões. As ações da subsidiária chegaram a subir mais de 5% após o anúncio, que gerou reações, sobretudo por conta dos resultados obtidos no ano passado, quando foi registrado lucro de R$ 3.2 bilhões. A negociação faz com que a Petrobras passe a controlar apenas 37,5% – controle privado – da rede de combustíveis, número que hoje é de 71,25% – controle estatal.

A Petrobras detém 100% da Liquigás e abriu processo de venda da subsidiária em abril deste ano. Em 2018, a estatal chegou a anunciar a venda do grupo para o Grupo Ultra, mas a negociação foi vetada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que obrigou pagamento de multa de R$ 280 milhões à estatal. O valor da venda vetada da Liquigás, à época, foi de R$ 2,8 bilhões.

"A próxima [subsidiária] a deixar o Estado será a Liquigás, agora no mês de agosto. A Petrobras está vendendo 100% da Liquigás e deve receber as ofertas vinculantes finais no dia 7 de agosto", anunciou Castello Branco em cerimônia que marcou a venda de ações da BR Distribuidora na B3 , bolsa paulista.

Assim como a BR Distribuidora , a Liquigás também teve lucro líquido em 2018. Segundo o balanço da estatal, a subsidiária que possui 20 milhões de clientes e cinco mil pontos de venda teve receita de R$ 5,6 bilhões, com lucro de R$ 147,5 milhões.

Leia também: Confiança do empresário da construção sobe 2,6 pontos em julho

O presidente da Petrobras celebrou ainda os "desinvestimentos" da empresa neste ano, que segundo ele já gerou US$ 15 bilhões em venda de ativos. Segundo Castello Branco, "vem muito mais". "Temos um amplo programa de desinvestimentos. Outros farão melhor que a Petrobras. Nós faremos nosso trabalho muito bem na exploração e produção de petróleo e gás", concluiu.