Tamanho do texto

Quarto ministro a deixar o cargo no governo, general substitui Juarez Cunha, demitido por "comportamento sindicalista"; Bolsonaro fala em "missão"

Floriano Peixoto, novo presidente dos Correios
Fernando Frazão/Agência Brasil
Bolsonaro confirmou Floriano Peixoto, ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência, como presidente dos Correios

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) confirmou nesta sexta-feira (21) a indicação do general Floriano Peixoto, que até então era ministro da Secretaria-Geral da Presidência, como novo presidente dos Correios.

Leia também: Presidente dos Correios confirma demissão nas redes e envia carta a funcionários

Quarto ministro a deixar o cargo no governo, Floriano Peixoto havia assumido a pasta após a demissão de Gustavo Bebbiano , em fevereiro, e agora atende à "missão" do presidente, migrando do ministério para os Correios .

"Anuncio o Advogado e Major PMDF Jorge Antonio de Oliveira Francisco para o cargo de Ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República. Outrossim, informo que o General Floriano Peixoto assumirá a Presidência dos Correios", informou Bolsonaro, em nota enviada por sua assessoria. Foi feito, ainda nesta manhã, um pronunciamento oficial em Brasília para a oficialização das mudanças.

Leia também: Na mira do governo, privatização dos Correios não garante fim da corrupção

A mudança nos Correios se deu por conta de comportamento avaliado por Bolsonaro como "sindicalista" do também general Juarez Aparecido de Paula Cunha, que presidia a empresa pública. Após ser demitido na última sexta-feira (14) pelo presidente, ele  trabalhou normalmente na segunda seguinte e deu uma palestra em que demonstrou apoio aos servidores e reforçou a oposição à privatização da estatal. Ele disse, ainda, que o governo não sabe qual será o futuro dos Correios.