Tamanho do texto

Desde o último acidente fatal, em março, a fabricante divulgou uma série de cronogramas para a volta das operações, mas nenhum foi cumprido

IstoÉ Dinheiro

Boeing 737 Max
Divulgação/Boeing
Boeing suspende previsões para retomada do 737 Max

A Boeing não fornecerá mais informações sobre a retomada do 737 Max,  modelo que está suspenso há três meses após dois acidentes fatais com causas semelhantes. Desde o último incidente, em março, a fabricante divulgou uma série de cronogramas para a volta das operações, mas nenhum foi cumprido.

Segundo a CNN , a Boeing ainda está em tratativas com a Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA, na sigla em inglês) para retomar a autorização de voo do 737 Max. Questionados nesta terça-feira (11), representantes da companhia e das autoridades norte-americanas não divulgaram novas estimativas.

Leia também: Em 2018, aéreas faturaram R$1  bi com cobrança de bagagem e marcação de assentos

Em entrevista na semana passada, o CEO da Boeing, Dennis Muilenburg, não soube precisar se ao menos as operações seriam liberadas até o fim deste ano. A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, na sigla em inglês) também disse no fim de março que o modelo não deve ser retomado antes de agosto.

A Boeing disse que está fornecendo todas as informações solicitadas, como detalhes do software apontado como causa das quedas dos aviões da Ethiopian Airlines, em 10 de março, e da Lion Air, na Indonésia, em 29 de outubro do ano passado. Juntas, as duas tragédias deixaram 326 mortos.

Leia também: Justiça adia decisão sobre leilão de ativos da Avianca Brasil

Além da FAA, a Boeing também deve negociar a liberação da aeronave com mais de 30 outros órgãos reguladores e companhias aéreas em todo o mundo. A suspensão do modelo refletiu em prejuízos e cancelamentos para dezenas de empresas. Algumas já afirmaram que acionarão a Boeing judicialmente para cobrir as despesas.