Tamanho do texto

Segundo Rubem Novaes, o valor dos empréstimos da instituição financeira à empresa é de cerca de R$9 bilhões; Odebrecht contava uma com venda

Odebrecht
Divulgação/Odebrecht
Odebrecht esperava recuperar suas finanças com a venda de uma de suas empresas controladas


O presidente do Banco do Brasil (BB), Rubem Novaes, afirmou nesta quarta-feira (5) que a instituição financeira está preocupada com a possibilidade de a Odebrecht entrar com pedido de recuperação judicial. Segundo ele, o montante de empréstimos do BB à empresa é de cerca de R$ 9 bilhões de reais. 

Leia também: Procon multa Azul, Gol e Latam por cobrança em marcação antecipada de assentos

Um dos principais alvos da operação Lava-Jato, a Odebrecht contava com a venda de sua controlada Braskem  para aliviarseus problemas de caixa e fazer frente a seu endividamento. A venda, porém, não será mais concretizada .

"Há preocupação, sim, é lógico que há preocupação. Os bancos têm um crédito grande, mas felizmente estão bem provisionados, em condições de enfrentar qualquer situação. Mas preocupa, sem dúvidas", afirmou Novaes ao deixar uma reunião entre presidentes de instituições fincaneiras e o ministro da Economia, Paulo Guedes.

BNDES e Tesouro

O presidente do BNDES , Joaquim Levy, também participou da reunião e afirmou que o banco vai devolver tudo o que puder ao Tesouro Nacional. Levy se refere ao cronograma de devolução de recursos emprestados pelo Tesouro à instituição, diretriz estabelecida pelo ministro da Economia para diminuir o estoque da dívida pública.

A expectativa é que o montante chegue a R$100 bilhões. "Tudo que a gente puder. E fazer todas as coisas que a gente tem planejado: negócio de venda de ação, e principalmente investimento em infraestrutura", disse.

Leia também: Banco Mundial reduz projeção de crescimento da economia brasileira em 2019

Levy defendeu, ainda, que o banco volte seu foco para investimentos em saneamento básico. "Está cheio de coisa pra gente fazer, no gás, no saneamento, a gente tem que dar essa solução. E é ótimo que agora o Congresso está acelerando a votação do (projeto de lei) saneamento, trazer capital privado para transformar a vida de milhões de pessoas."