Propaganda do Banco do Brasil sobre diversidade desagradou o presidente Jair Bolsonaro (PSL), que a retirou do ar
Reprodução
Propaganda do Banco do Brasil sobre diversidade desagradou o presidente Jair Bolsonaro (PSL), que a retirou do ar


A Fenapro (Federação Nacional das Agências de Propaganda) e a Associação Brasileira de Agências de Publicidade (Abap) rebateram, nesta segunda-feira (6), a informação de que a campanha publicitária do Banco do Brasil (BB)  vetada pelo presidente Jair Bolsonaro  (PSL) no mês passado tenha custado R$ 17 milhões. 

De acordo com as duas entidades, o comercial do Banco do Brasil teria custado, na verdade, R$ 1 milhão. "Não procede a informação de que a peça tenha custado R$ 17 milhões. Segundo esclareceu a própria agência, o custo de produção foi de cerca de R$ 1 milhão", diz a nota conjunta. 

Os órgãos afirmam, ainda, que o valor correto de custo da campanha "pode ser "verificado facilmente através de notas fiscais de prestação de contas em poder do próprio cliente" e que "é fundamental antes de propagar informações imprudentes que se busque entender como funciona a atividade e a complexidade de uma campanha ou plano de mídia."

Confira a nota completa:

Você viu?

Em defesa da publicidade brasileira, a ABAP e a Fenapro vêm esclarecer informações citadas em ataque proferido nas redes sociais contra a agência de publicidade W/ McCann. São informações incorretas sobre o custo de produção de peça publicitária para o Banco do Brasil. Não procede a informação de que a peça tenha custado R$ 17 milhões. Segundo esclareceu a própria agência, o custo de produção foi de cerca de R$ 1 milhão. Esta informação pode ser verificada facilmente através de notas fiscais de prestação de contas em poder do próprio cliente. Agências de publicidade que atendem contas públicas atuam em sintonia com a legislação e as regras dos órgãos de controle, como a CGU. É fundamental antes de propagar informações imprudentes que se busque entender como funciona a atividade e a complexidade de uma campanha ou plano de mídia. Nossa atividade é considerada referência mundial pela sua qualidade e profissionalismo, responsável por gerar 550 mil empregos (diretos e indiretos), além de promover a riqueza de milhares de empresas brasileiras, valorizando marcas e vendendo produtos.

"Respeito à família" e dinheiro público

Bolsonaro disse que campanha do Banco do Brasil não condizia com sua linha de pensamento
Alan Santos/Presidência da República
Bolsonaro disse que campanha do Banco do Brasil não condizia com sua linha de pensamento


Ao ser questionado pela decisão de intervir nas ações do BB , o presidente afirmou que a maior parte da população "quer respeito à família" e que o governo não quer que dinheiro público seja utilizado para fazer propagandas como essas, voltada ao público mais jovem.

Na visão de Bolsonaro , a campanha não condiz com sua linha de pensamento. "Quem indica e nomeia presidente do BB, não sou eu? Não preciso falar mais nada então. A linha mudou, a massa quer respeito à família, ninguém quer perseguir minoria nenhuma. E nós não queremos que dinheiro público seja usado dessa maneira. Não é a minha linha. vocês sabem que não é minha linha", disse.

Depois do episídio, o Palácio do Planalto chegou a emitir um comunicado que informava que todas as propagandas de estatais precisariam passar por aprovação. A medida logo foi revogada , já que a interferência do governo sobre o teor de peças publicitárias dessas empresasnão é permitida porque fere a Lei das Estatais.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários