Tamanho do texto

Demissão acontece um mês após o instituto anunciar uma redução da verba destinada à realização da pesquisa; Crespo seria um dos resistentes ao corte

claudio crespo
Divulgação/IBGE
Cláudio Crespo será substituído pelo demógrafo Eduardo Rios Neto, que não faz parte dos quadros do IBGE

A presidente do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), Susana Cordeiro Guerra, exonerou o diretor de pesquisas do instituto, Cláudio Crespo. A informação foi divulgada em primeira mão nesta segunda-feira (6) pelo colunista do Globo, Bernardo Mello Franco, em seu blog.

Leia também: Censo demográfico do IBGE está ameaçado por falta de recursos

Crespo será substituído pelo demógrafo Eduardo Rios Neto, que não faz parte dos quadros do IBGE . Também foi exonerado o diretor de Informática, José Santana Beviláqua, que será substituído pelo economista David Wu Tai.

No mês passado, o IBGE informou que, para fazer os custos do Censo 2020 caírem para R$ 2,3 bilhões e ter o orçamento aprovado pela União, pretende reduzir o número de perguntas da pesquisa. A ideia é que, desta forma, os recenseadores levem menos tempo para aplicar o questionário nos quase 70 milhões de lares brasileiros.

Mas os técnicos do IBGE que resistem à medida argumentam que, na pesquisa piloto realizada entre março e o início de abril em cinco mil domicílios de 53 cidades brasileiras, foi verificado que os custos estão concentrados na parte operacional, como ter de voltar às casas de pessoas que na primeira abordagem se recusam a responder o questionário, e não no tamanho do formulário.

Leia também: Guedes ataca censo do IBGE e defende que "muita coisa não é importante"

Por isso, há resistência em relação ao corte dentro do corpo técnico do IBGE . De acordo com uma fonte de participou de uma reunião para discutir o tamanho do questionário do Censo 202 , em meados do mês passado, Cláudio Crespo seria um deles.