Rubem Novaes, presidente do Banco do Brasil, fala sobre o veto de Bolsonaro à propaganda que explorava a diversidade
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Rubem Novaes, presidente do Banco do Brasil, fala sobre o veto de Bolsonaro à propaganda que explorava a diversidade

O presidente do Banco do Brasil (BB), Rubem Novaes, disse em entrevista à BBC Brasil que o veto do presidente Jair Bolsonaro à propaganda que explorava o tema da diversidade tem que "ser visto em um contexto mais amplo em que se discute a questão da diversidade no país".

Leia também: "A massa quer respeito à família", diz Bolsonaro sobre comercial do BB

Novaes afirmou que a esquerda quis empoderar minorias e que os meios de comunicação procuravam impor uma sociedade alternativa, que foi rejeitada por "um povo majoritariamente conservador".

"Durante décadas, a esquerda brasileira deflagrou uma guerra cultural tentando confrontar pobres e ricos, negros e brancos, mulheres e homens, homo e heterossexuais etc, etc", diz o presidente do BB

"O 'empoderamento' de minorias era o instrumento acionado em diversas manifestações culturais: novelas, filmes, exposições de arte etc., onde se procurava caracterizar o cidadão 'normal' como a exceção e a exceção como regra", continua.

Você viu?

Leia também: Bolsonaro reclama e Banco do Brasil tira do ar propaganda voltada para jovens

Ele declarou, ainda, que nas últimas eleições "diferentes visões do mundo se confrontaram e um povo majoritariamente conservador fez uma clara opção no sentido de rejeitar a sociedade alternativa que os meios de comunicação procuravam nos impor".

Na tarde deste sábado (27), Bolsonaro disse que não quer que o dinheiro público seja usado em campanhas publicitárias como a do Banco do Brasil , retirada do ar após intervenção do Palácio do Planalto.

O presidente afirmou, ainda, que o vídeo contraria a "agenda conservadora" que ele defende, e que não poderia ser feito com dinheiro público. A peça publicitária era estrelada por atores e atrizes negros e jovens tatuados usando anéis e cabelos compridos.

"O pessoal sabe que eu tive uma agenda conservadora, defendendo a maioria da população brasileira, os seus comportamentos, a sua tradição judaico-cristã. E nós não queremos impedir nada. Mas quem quiser fazer diferente do que a maioria quer, que não faça com verba pública, só isso", afirma Bolsonaro

Leia também: Após veto de Bolsonaro, ações de estatais precisarão de aprovação do Planalto

"Quem indica e nomeia presidente do BB não sou eu? Não preciso falar mais nada então. A linha mudou, a massa quer respeito à família, ninguém quer perseguir minoria nenhuma. E nós não queremos que dinheiro público seja usado dessa maneira. Não é a minha linha. Vocês sabem que não é minha linha", completa o presidente.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários