Tamanho do texto

Homenagem foi feita durante uma audiência pública na Casa; todos ficaram de pé, mas Fabio Schvartsman permaneceu sentado e de mãos cruzadas

Todos os participantes da mesa – menos o presidente da Vale – ficaram de pé durante a homenagem às vítimas
Reprodução/TV Câmara
Todos os participantes da mesa – menos o presidente da Vale – ficaram de pé durante a homenagem às vítimas

Durante uma audiência pública realizada ontem (14) na Câmara dos Deputados, o presidente da Vale, Fabio Schvartsman, foi o único presente a não se levantar após um pedido de minuto de silêncio em homenagem às vítimas da tragédia de Brumadinho (MG). Causado pelo rompimento de uma barragem da mineradora, o desastre matou ao menos 166 pessoas.

Leia também: Vale não deve ser "demonizada" por Brumadinho, defende secretário

A sugestão de homenagear os atingidos partiu do diretor-geral da Agência Nacional de Mineração (AMN), Victor Hugo Fronner Bicca. "Eu abro mão de um minuto do meu tempo para prestar essa homenagem às vítimas de Brumadinho", disse. Em seguida, todos os participantes da mesa – menos o presidente da Vale – e os deputados presentes na audiência se levantaram.

Schvarstman permaneceu o tempo todo sentado, com a cabeça baixa e as mãos cruzadas sobre a mesa. À reportagem do jornal  Folha de S. Paulo , o diretor de comunicação da mineradora, Júlio Gama, disse que o presidente, ao se manter naquela posição, estava prestando respeito às vítimas de Brumadinho.

Leia também: Câmara anuncia CPI para investigar causas da tragédia de Brumadinho

A audiência pública foi realizada pela comissão externa da Câmara que avalia a situação das barragens pelo Brasil. Foi a primeira vez que Fabio Schvartsman falou aos parlamentares sobre a tragédia de Brumadinho, referindo-se a ela como um "acidente". Na próxima semana, deverão ser ouvidos especialistas do Tribunal de Contas da União (TCU), do Ministério de Minas e Energia e da Agência Nacional de Águas (ANA).

"Vale é uma joia"

Para Fabio Schvartsman, a Vale é uma
Divulgação/Vale
Para Fabio Schvartsman, a Vale é uma "joia brasileira" que não pode ser condenada pelo ocorrido em Brumadinho

Na quinta-feira, ainda durante a audiência pública organizada pela Câmara, Schvartsman afirmou que a mineradora é uma "joia brasileira" que não pode ser condenada pelo ocorrido em Brumadinho, "por maior que tenha sido a tragédia".

A opinião do presidente é compartilhada pelo secretário especial de desestatização, Salim Mattar. No dia anterior (13), Mattar pediu que a população não "demonize" a Vale pelo desastre de Brumadinho , defendendo que a mineradora seja preservada para manter empregos e a arrecadação de impostos.

Leia também: Vale é uma "joia" e não deve ser condenada por Brumadinho, diz presidente

“Um ou dois aviões caem por ano e morrem 120, 130 pessoas. Pede-se que a diretoria da empresa caia ou se demoniza essa companhia?”, questionou o secretário. “Em Brumadinho , caíram dois aviões [somando mortos e desaparecidos]. Como seria o tratamento de uma companhia aérea e como estamos tratando a  Vale ?”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas