undefined
Shutterstock
Além da devolução do dinheiro utilizado para o pagamento de vantagens indevidas, a Petrobras também exige o ressarcimento de todo o lucro obtido pelas empresas que praticaram esses atos ilícitos

Nesta terça-feira (28), a Petrobras informou que ainda busca o ressarcimento de mais de R$ 40 bilhões de multas e indenizações relativas à Operação Lava Jato. Em comunicado, a estatal afirmou que participa de 16 ações de improbidade administrativa junto ao Ministério Público Federal (MPF) e/ou a União e que espera ser recompensada pelos prejuízos causados por “atos de fraude e corrupção praticados em seu desfavor”.

Leia também: Petrobras fecha segundo trimestre com lucro de R$ 10,07 bi, o maior desde 2011

Além da devolução do dinheiro utilizado para o pagamento de vantagens indevidas, a Petrobras também exige o ressarcimento de todo o lucro obtido pelas empresas que praticaram esses atos ilícitos. Ao todo, são R$ 10,9 bilhões em indenizações e R$ 31,2 bilhões relacionados à aplicação de multas, segundo informações da Agência Reuters .

Paralelamente, a estatal disse colaborar como assistente de acusação em outros 53 processos propostos pelo MPF, que renderiam aproximadamente R$ 1 bilhão à empresa. “O valor dessa condenação será revertido em favor da Petrobras após o encerramento completo da discussão judicial. A companhia estará habilitada a executar essa cifra apenas depois do esgotamento dos recursos às instâncias superiores”, explicou.

Outros ressarcimentos

undefined
Ueslei Marcelino/Reuters
A última restituição aconteceu no dia 9 de agosto, quando a Petrobras recebeu R$ 1,034 bilhão. Na ocasião, a empresa afirmou que este era o maior ressarcimento recebido em um único período

Até o momento, já foram devolvidos mais de R$ 2,5 bilhões aos cofres da estatal brasileira. O dinheiro é decorrente de acordos de colaboração e leniência e repatriações, todos no âmbito da Lava Jato .

Leia também: Petrobras recebe mais de R$ 1 bilhão recuperado pela Operação Lava Jato

A última restituição aconteceu no dia 9 de agosto, quando a Petrobras recebeu R$ 1,034 bilhão. Na ocasião, a empresa afirmou que este era o maior ressarcimento recebido em um único período e garantiu que seguiria adotando medidas cabíveis contra empresas e indivíduos que lhe causaram prejuízos.

Rombo da Petrobras

undefined
Shutterstock
Segundo laudo de perícia criminal anexado pela Polícia Federal em um dos processos da Lava Jato, os danos causados pelas irregularidades descobertas na Petrobras podem chegar a R$ 42,8 bilhões

Em abril de 2015, a estatal divulgou um rombo de R$ 6 bilhões. O valor foi caracterizado como “conservador” por Aldemir Bendine, então presidente da Petrobras, uma vez que as investigações da Lava Jato ainda não tinham sido concluídas e novos fatos poderiam surgir.

Segundo laudo de perícia criminal anexado pela Polícia Federal em um dos processos da operação, os danos causados pelas irregularidades descobertas podem chegar a R$ 42,8 bilhões. A estimativa tem como base uma tabela com os pagamentos indevidos envolvendo as 27 empresas apontadas como parte do cartel da Petrobras.

Leia também: Correios passam a cobrar R$ 15 em todas as encomendas internacionais

Ainda de acordo com as investigações da Lava Jato, essas companhias se organizavam para vencer licitações e se beneficiar de aditivos aos contratos. As envolvidas pagavam propina a diretores e gerentes da Petrobras , operadores e a partidos políticos por meio de doação eleitoral. As legendas negam, porém, que tenham recebido dinheiro de forma ilegal.

    Veja Também

      Mostrar mais