Tamanho do texto

Segundo estimativas do órgão, o negócio pode levar ao fechamento de 26 mil vagas diretas e indiretas ligadas à planta da empresa brasileira

Os desligamentos na Embraer, de acordo com o MPT, seriam resultado da transferência da produção de aeronaves para outros países
Divulgação
Os desligamentos na Embraer, de acordo com o MPT, seriam resultado da transferência da produção de aeronaves para outros países

O Ministério Público do Trabalho (MPT) promoveu uma audiência pública nesta segunda-feira (20) para discutir a possibilidade de demissões com a fusão da Embraer e da Boeing. Segundo estimativa do MPT, o negócio pode levar ao fechamento de 26 mil vagas diretas e indiretas ligadas à planta da empresa brasileira.

Leia também: Funcionário rouba avião, decola sem autorização e cai em ilha nos EUA

Os desligamentos na Embraer , de acordo com o MPT, seriam resultado da transferência da produção de aeronaves para outros países. “Seriam milhares de empregos e, portanto, arrecadação com os tributos, e o dinheiro que circula na economia da folha de salários desapareceria para sempre. É muito preocupante”, apontou Rafael Gomes, procurador que conduziu a audiência.

Além das demissões e da perda de arrecadação, o MPT avalia que a fusão contribuiria para a diminuição da atividade industrial no país e para a transferência de pessoas altamente qualificadas e tecnologia avançada para o exterior. A questão é tema de uma ação civil pública que pede que a União condicione a fusão à garantia de que a produção e os empregos não serão redirecionados para outros países.

Para Gomes, o fato de a Embraer e a Boeing se recusarem a fornecer essa “segurança” mostra que ambas estão anunciando que a intenção é, de fato, migrar a atividade produtiva. “O MPT não pede que a operação seja barrada. O que se está exigindo são garantias de que a produção não será transferida”, explicou o procurador.

Leia também: Falta trabalho para 27,6 milhões de pessoas no Brasil, segundo pesquisa do IBGE

O MPT questionará, ainda, o formato de negócio informado pelas empresas junto à Comissão de Valores Mobiliários. Segundo a procuradoria, os contornos de joint venture - isto é, uma parceria - não estão sendo postos em prática conforme anunciado anteriormente.

Nesse sentido, Gomes também contesta o fato de que a negociação não é temporária, o que é característica das joint ventures. “É definitiva. O mais significativo é que a Embraer teria 20% de participação no capital social, mas nenhuma interferência na gestão e na administração do negócio, o que é extraordinário”, criticou.

O procurador também informou que outras medidas judiciais estão sendo estudadas, como uma ação contra as próprias empresas, por exemplo. “Ainda que o governo federal dê o seu aval, esse não é o encerramento da operação. O MPT buscará outras providências com toda certeza”, disse Gomes.

Leia também: Anac autoriza primeira companhia aérea low cost a operar no Brasil

Outro lado: Embraer e Boeing

À Agência Brasil, a Embraer afirmou que não comentará sobre o assunto; a Boeing, por sua vez, não respondeu aos repórteres até o fechamento deste texto
Reuters
À Agência Brasil, a Embraer afirmou que não comentará sobre o assunto; a Boeing, por sua vez, não respondeu aos repórteres até o fechamento deste texto

Procurada pela Agência Brasil , a Embraer afirmou que não comentará sobre o assunto. A Boeing e a Advocacia-Geral da União (AGU), por sua vez, não responderam até a publicação desta reportagem.


*Com informações da Agência Brasil