Atualmente, falta trabalho para mais pessoas do que há um ano
shutterstock
Atualmente, falta trabalho para mais pessoas do que há um ano

Falta trabalho para 27,6 milhões de brasileiros, segundo pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (16). O número referente ao segundo trimestre de 2018 faz parte da taxa de subutilização da força de trabalho composta por desempregados e subocupados por insuficiência de horas. A pesquisa ainda aponta que a força de trabalho potencial ficou em 24,6%.

O resultado subiu 0,8 ponto percentual (p.p) em relação ao mesmo período de 2017. Contudo, a marca atingida é praticamente estável quando comparada ao trimestre anterior, que ficou em 24,7%. O balanço ainda revelou que falta trabalho , principalmente na região do Nordeste.

No ranking, o estado do Piauí lidera a taxa de subutilização da força de trabalho com a porcentagem de 40,6%. Logo em seguida, aparecem Maranhão e Bahia, com respectivos 39,7% e 39,7%. Todos bem acima da média nacional.

Por outro lado, as menores taxas foram registradas em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Rondônia que fecharam o segundo trimestre de 2018 com seguidos 10,9%, 15,2% e 15,5%.

Falta trabalho a milhões de brasileiros e há recorde de desalentados

Pesquisa revela que falta trabalho adequado para a população brasileira
IBGE/DIVULGAÇÃO
Pesquisa revela que falta trabalho adequado para a população brasileira

O IBGE define a população desalentada como aquela que está fora da força de trabalho por não conseguir um emprego adequado; não tem experiência ou qualificação; é considerada muito jovem ou idosa; não existe trabalhado na localidade em que reside – e que, se tivesse conseguido trabalho, estaria disponível para assumir a vaga. De um modo geral, é alguém que "desistiu de tentar uma vaga de emprego". 

No segundo trimestre de 2018, o contingente de desalentados chegou à marca de 4,4% em relação à população que compõe a força de trabalho, chegando ao maior contingente de desalentados da série histórica da pesquisa, iniciada em 2012. A porcentagem representa 4,8 milhões de pessoas.

O valor é superior ao do primeiro trimestre de 2018 e do segundo trimestre do ano passado, que chegaram, respectivamente, a 4,6 milhões e 4 milhões de pessoas.

Entre os estados brasileiros, a maior taxa de população desalentada foi registrada em Alagoas, com 16,6%, e no Maranhã,  com 16,2%, ou seja, bem acima da média nacional de 4,4%.

Já no Rio de Janeiro e em Santa Catarina, o indicador é inferior à média brasileira, uma vez que ficaram respectivamente com 1,2% e 0,7%.

Falta emprego com carteira assinada no País

Falta trabalho! Tem mais gente trabalhando menos do que gostaria; entenda
shutterstock
Falta trabalho! Tem mais gente trabalhando menos do que gostaria; entenda

A pesquisa também demonstrou que a população empregada do setor privado caiu em um ano. Se no segundo trimestre de 2018 a marca foi de 74,9%, no mesmo período de 2017, o índice foi 75,8%. Sendo que o maior percentual de empregados registrados estava no Sul, com 82,9%, e o menor no Nordeste, com 59,9%.

Entre os trabalhadores domésticos, o indiciador também obteve queda, porque passou de 30,6%, no segundo trimestre de 2017, para 29,4%, no mesmo período deste ano.

Ainda sobre os 91,2 milhões de pessoas que representam a população ocupada, o Instituto apurou que 67,6% do grupo são empregados, 4,8% de empregadores, 25,3% de trabalhadores por conta e 2,3% de trabalhadores familiares auxiliares.

Vale destacar que os estados do Pará, Maranhão e Amazonas apresentaram os maiores indicadores percentuais de trabalhadores por conta própria, com respectivos 34,3%, 33% e 32,2%. Enquanto que os menores números estão no Distrito Federal, com 18,2%, São Paulo, com 21,7%, e Mato Grosso do Sul, com 22,1%.

Outro indicador interessante é o que diz respeito às pessoas que trabalham menos de 40 horas semanais, mas que gostariam de trabalhar um período maior, somada às pessoas desempregadas.

Você viu?

Nesse grupo, a marca registrada no segundo trimestre de 2018 é de 18,7%, que representa 6,5 milhões de pessoas subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas e 13 milhões de desempregados.

O desemprego é maior no Amapá

Falta trabalho no Amapá, Alagoas, Pernambuco, Sergipe e Bahia
shutterstock
Falta trabalho no Amapá, Alagoas, Pernambuco, Sergipe e Bahia

De acordo com o IBGE, o índice de desemprego no segundo trimestre de 2018 foi de 12,4%. Entretanto, esse percentual foi muito maior no estado do Amapá, onde o indicador chegou a 21,3%. Em Alagoas, a marca chegou em 17,3%, enquanto que Pernambuco, Sergipe e Bahia registraram, respectivamente, 16,9%, 16,8% e 16,5%.

Em contrapartida, as menores taxas de desocupação foram observadas em Santa Catarina, com 6,5%, Mato Grosso do Sul, com 7,6%, além dos estados do Rio Grande do Sul e Mato Grosso, que ficaram com 8,3% e 8,5%. Ou seja, bem abaixo da média nacional de 12,4%.

Leia também: Mesmo estudando mais, mulheres ganham menos do que homens no mercado de trabalho

Recorte de gênero sobre falta de trabalho 

Falta trabalho para as mulheres: segundo a pesquisa, elas são as mais impactadas
shutterstock
Falta trabalho para as mulheres: segundo a pesquisa, elas são as mais impactadas

Também foi constatado que, no segundo trimestre de 2018, as mulheres eram maioria na população em idade de trabalhar no Brasil, representando 52,4% do total. Em todas as regiões, o cenário em que as mulheres são maioria é repetido.

Porém, no grupo das pessoas empregadas predominaram os homens, com 56,3%, em todas as regiões no Brasil, sobretudo na Norte, em que eles representaram 60,2% da categoria.

Com isso, o nível da ocupação dos homens foi de 63,6%, enquanto que o das mulheres foi de 44,8% no período analisado, com destaque para a região Norte, onde, como revela o IBGE, a diferença entre homens e mulheres foi a maior, de 22,6 pontos percentuais. Em contrapartida, o Sudeste teve a menor taxa, mas ainda assim é alta, de 18 p.p.

As diferenças dos grupos são refletidas na população desempregada, um total de 12,4%. Se entre os homens a taxa de desemprego é de 11% (abaixo da média), entre as mulheres , a marca é de 14,2%. Vale destacar que este comportamento foi observado nas cinco regiões brasileiras.

As mulheres também se mantiveram como a maior parte da população fora da força de trabalho, representando 64,9% do grupo. Vale mencionar que esse dado não tem a ver com a população desempregada, uma vez que, para compor a taxa de desocupação, o IBGE contabiliza apenas pessoas que pertencem ao grupo da força de trabalho.

Desemprego entre pretos e pardos é maior do que entre brancos

Além de demonstrar que falta trabalho, que o desemprego aumentou, etc. IBGE mediu a renda média do País
CNM/CUT
Além de demonstrar que falta trabalho, que o desemprego aumentou, etc. IBGE mediu a renda média do País

Nessa perspectiva, o IBGE resolveu fazer uma comparação entre o primeiro trimestre de 2012 e o segundo trimestre de 2018.

Com isso, o instituto observou que, há seis anos, quando o contingente de desempregados no País era de 7,6 milhões de pessoas, os pardos representavam 48,9% dessa população. Em seguida, estavam brancos e pretos, com respectivos 40,2% e 10,2%.

Entretanto, segundo o último balanço sobre desemprego, o contingente de pessoas desocupadas é de 12,9 milhões. A participação parda no grupo subiu para 52,3%, enquanto que a da população preta cresceu para 11,8%. Porém, na população branca, a taxa de desemprego reduziu para 35% no período de seis anos.

A desigualdade racial também pode ser percebida na taxa de desemprego dos que se declaram brancos, que ficou em 9,9%, bem abaixo da média brasileira de 12,4%. Enquanto que, no segundo trimestre de 2018, o desemprego entre pretos e pardos ficou acima da média, com respectivos 15% e 14,4%.

No segundo trimestre de 2018, os pardos representavam 47,9% da população fora da força de trabalho, seguidos pelos brancos (42,4%) e pretos (8,5%).

Além de demonstrar que falta trabalho , o IBGE também contabilizou que o rendimento médio real de todos os trabalhos, habitualmente recebido por mês pelas pessoas com 14 anos ou mais, foi estimado em R$ 2.198 no segundo trimestre de 2018. O que é estável frente ao trimestre anterior quando a marca foi de R$ 2.192.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários