Tamanho do texto

Conhecer cada detalhe sobre a moeda virtual pode evitar prejuízos; entenda

Com cada vez mais negociações, a bitcoin vem se firmando cada vez mais no cenário nacional e internacional como uma moeda confiável, que consegue atender a várias funcionalidades diferentes. 

A realidade é que a bitcoin se popularizou. E esse aumento de popularidade dela levou que, inevitavelmente, cada vez mais pessoas procurassem formas de comprar e de investir nela.

Economia doméstica: 3 dicas para economizar nos gastos de casa! 

Bitcoin vem ganhando popularidade
shutterstock
Bitcoin vem ganhando popularidade

Infelizmente, essa procura é feita, em grande parte, sem um conhecimento profundo dos processos e conceitos que envolvem a bitcoin e as criptomoedas como um todo. E essa falta de conhecimento pode ter um custo no seu bolso. 

Por isso, este artigo te ajudará a entender um pouquinho melhor sobre as taxas que existem na bitcoin.

Intermediários da Bitcoin

Quando procuramos como a bitcoin funciona na internet, logo nos deparamos com uma informação: a definição da bitcoin é que ela é um modo de transação peer-to-peer. 

Isso significa, em si, que a bitcoin não precisa de um intermediário. Você não precisa de um banco, por exemplo, para utilizar o potencial da moeda. 

Mas, a ideia da falta de intermediários pode induzir quem não tem um conhecimento amplo da bitcoin ao erro. 

Isso porque, ao acreditarmos cegamente que não há intermediários, esquecemos de um intermediário muito importante, que justamente faz com que o sistema da bitcoin funcione: o minerador. 

O trabalho do minerador é, basicamente, validar as transações feitas com a moeda. É um processo muito importante para a bitcoin, já que o sistema depende que o minerador valide as transações para que realmente funcione. 

E, obviamente, ele não faz isso de graça. Quando o minerador valida as transações feitas em bitcoin, ele recebe também bitcoins em troca. E essa recompensa faz o trabalho valer a pena. 

Mas, essa não é a única forma de ganho do minerador. 

Na realidade, ao “minerar” bitcoin, quem deseja que sua transação seja validada pode colocar também a chamada “taxa de rede”, que é uma taxa paga aos mineradores pela transação de uma carteira de bitcoin para outra. 

Por que eu deveria colocar, eu mesmo, uma taxa para fazer a transação?

É importante dizer que você não é obrigado a colocar esta taxa. Ela é opcional. Mas, você tem que estar ciente que essa taxa impacta diretamente na forma como é processada a sua transação com a moeda. 

Existem casos de pessoas que não colocaram nenhuma taxa de rede na transação, e, por conta disso, o minerador demorou anos para finalmente validar a transação proposta a ele. 

Finanças: três armadilhas financeiras que acabam com o seu dinheiro!

Isso porque você tem algumas situações em que a taxa acaba sendo de extrema importância para que faça sentido ao minerador se dar o trabalho de validar a sua transação. 

Para você entender melhor essa ideia, irei te mostrar duas situações em que a taxa, apesar de não ser obrigatória, ainda assim é muito necessária:

Situação 1 - Transações pequenas

Ao fazer alguma transação de pequeno valor, é de muita importância que você coloque uma taxa de rede para o minerador. 

Se você não o fizer, dificilmente o minerador estará disposto a fazer seu trabalho. Isso por dois motivos principais: Para evitar spam de microtransações na rede e porque há custos de transação para os mineradores na rede. 

Bitcoin
iStock
Bitcoin

Então, num exemplo simples, se você fizer uma transação de 0.00001 bitcoins, você muito provavelmente terá que pagar uma taxa de rede em cima desse valor para que a transação seja validada. Caso não o fizer, não compensará a validação para o minerador. 

E é esse um dos grandes problemas das pequenas transações. Mas não o pior. 

O pior problema de fazer uma transação de valor pequeno com bitcoin é que, dependendo do quão pequena é a transação, a taxa de rede pode ser maior que o próprio valor da transação em si, e isso faz com que seja simplesmente inviável que você faça pague a taxa de rede. Ou, pelo menos, que faça isso sem adquirir um prejuízo.

Situação 2 - Quando há muitas entradas

Para explicar essa situação, irei utilizar um exemplo: Imagine que você comprou um salgado por R$4.00. Você tem vários jeitos de pagar diferente, mas vamos imaginar dois: você pode pagar com 2 notas de R$2,00, ou 4 moedas de R$1.00. 

Numa transação física, com o real mesmo, não faz muita diferença, certo? No final, é tudo R$4,00. Você escolhe apenas a forma como lhe convém melhor. 

Casamento: dicas para o casal quitar as dívidas e melhorar o relacionamento

Mas, quando tratamos da bitcoin, isso faz uma grande diferença. A quantidade de vezes que vamos entregar bitcoins a alguém interfere diretamente na taxa que se deve pagar. 

Então, se você faz 4 transações de R$1,00 para pagar o valor inteiro de R$4,00 do salgado em bitcoin, o valor da taxa de rede aumenta consideravelmente. Como essa maior quantidade de entradas faz com que haja mais processos para serem compilados, é normal que o minerador cobre por mais trabalho a ser feito. 

Por isso que uma preocupação importante a ser ponderada ao transacionar bitcoins é justamente o número de entradas que precisarão ser feitas para poder realizar a transação por completo.

Dicas

Acredito que, mesmo para aqueles que já entendem um pouco melhor sobre a bitcoin, ainda ficaram um pouco confuso com a taxa de rede. Afinal, a taxa de rede quem coloca não é o minerador, e sim a pessoa que fez a transação, como se fosse uma gorjeta. 

Se é assim, como saber qual a melhor taxa para oferecer ao minerador? 

Para ajudar nestas questões, existem alguns sites que te ajudam a escolher uma taxa ideal para o valor que você deseja transacionar. 

Um exemplo destes sites é o Bitcoin Fees for Transactions, que ajuda você a ter uma ideia da taxa necessária para o número de satoshis, ou seja, os “centavos” de bitcoin que você deseja transacionar, com base em outras transações que já foram validadas pelos mineradores. O interessante é que o site também mostra o tempo que demorou para a transação ser realmente validada. 

O problema é que o site está em inglês, então, se você não tem muita familiaridade com a língua, usar uma exchange, além de te livrar do risco de negociar diretamente com alguém, também te ajuda com as recomendações da taxa a ser usada. Ou seja, as exchanges facilitam muito a sua vida. 

Agora, mesmo que elas facilitem muito a sua vida, é bom ter alguns cuidados. 

Assim como as instituições financeiras tradicionais, as exchanges de bitcoin também cobram algumas taxas de serviços, e não somente as taxas de rede.

Isso faz com que, mais ainda, se torne muito inviável a pequena transação em bitcoin.

Então, se você deseja fazer alguma operação com bitcoin no futuro pelas exchanges, cuidado com as taxas das exchanges. Você vai estar trocando segurança por limitações. 

De qualquer forma, as exchanges permanecem como boas opções para começar com bitcoins. O método é bem mais simples, e você acaba tendo que ter apenas preocupações referentes ao serviço da exchange. 

Nove hábitos das pessoas ricas e bem sucedidas

Uma segunda dica possível é que bitcoins mais antigas têm uma probabilidade maior de não sofrer com taxas de rede. Por elas serem antigas, há uma probabilidade delas ainda não terem sido fragmentadas em micro-transações, e o minerador acaba ajudando o cliente, nesse caso.

Mas, lembre-se, isso é só uma possibilidade. Use a dica com sabedoria!

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas