Tamanho do texto

O colunista Luís Artur Nogueira explica quais são os riscos de se aplicar na Bolsa de Valores durante a votação da Reforma da Previdência

Olá, gravateiros e gravateiras. Encerrou-se mais uma semana sem que o índice Bovespa tivesse atingido a marca história dos 100 mil pontos. Ainda faltam cerca de dois mil pontos. Desde a eleição de Jair Bolsonaro, o mercado financeiro vive essa expectativa, que pode se tornar o símbolo de um novo ciclo de crescimento econômico. Como assim? Vou explicar.

Leia também: Tragédia da Vale, em Brumadinho, traz lições para investidores

Em primeiro lugar, quero deixar bem claro que os 100 mil pontos , se ultrapassados, não vão resolver milagrosamente os problemas do Brasil, que continuará registrando elevado desemprego e contas públicas caóticas. A marca emblemática, no entanto, será fruto da confiança dos investidores na agenda econômica do ministro Paulo Guedes. Essa, sim, se bem encaminhada, pode salvar o País.

Nesse sentido, as mudanças na Previdência Social serão um divisor de águas. Diante da apresentação e, em seguida, da aprovação de uma reforma robusta, que sinalize a melhora das contas públicas, a superação dos 100 mil pontos virá automaticamente, inclusive com dinheiro de estrangeiros. Sem essa reforma, a Bolsa despencará. Simples assim.

Quando Bolsonaro anunciou na quinta-feira (14) idades mínimas rigorosas de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, e uma regra de transição de 12 anos, o índice Bovespa subiu. A avaliação era de que a proposta é boa do ponto de vista fiscal. Quando a crise política envolvendo um dos filhos de Bolsonaro e o ministro Gustavo Bebianno se intensificou, na sexta-feira (15), a Bolsa caiu. Por quê? Porque o mercado financeiro teme que essa crise possa atrapalhar a articulação política do governo às vésperas da tramitação da Reforma da Previdência.

Leia também: Está sempre no vermelho? Sugiro rever o seu padrão de vida

É claro que os investidores em renda variável não precisam aguardar a votação em dois turnos, na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, para efetivamente comprar ou vender ações. A característica principal da Bolsa de Valores é antecipar os movimentos futuros. O raciocínio atual é muito simples: se a reforma for aprovada, a confiança no País aumentará, os investimentos crescerão, a economia melhorará e as empresas, cujas ações são negociadas na Bolsa, lucrarão mais. O inverso também é verdadeiro, o que justificaria a venda de ações em caso de perspectiva de um desastre político.

Se tudo der certo e o índice Bovespa superar a marca dos 100 mil pontos, haverá questionamentos sobre se a Bolsa estará cara no Brasil. A resposta não será tão simples e vai requerer análises pontuais de cada ação. Embora eu bata na tecla de que a aprovação da reforma da Previdência é condição sine qua non para a retomada do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), a sustentabilidade da expansão econômica vai depender de muitos outros fatores sobre os quais falaremos em futuros artigos. Um deles é a volta do investimento em infraestrutura.

Leia também: Os 5 primeiros passos para abrir a própria empresa

Por ora, reitero apenas a recomendação para que os investidores apliquem, no máximo, 30% do capital disponível em Bolsa de Valores. Para quem está começando, eu recomendo apenas 10%. A cautela em renda variável serve para evitar traumas nos pequenos investidores. Afinal de contas, se a superação dos 100 mil pontos depende da tramitação da reforma da Previdência no Congresso Nacional, isso significa que a alta da Bolsa de Valores está diretamente relacionada ao humor e às barganhas do Legislativo. Para citar apenas o nome de um político controverso, o investidor estará correndo o “risco Renan Calheiros”. Você está preparado para tantas emoções? A seguir, convido a todos a assistir a um vídeo que traz mais informações sobre a marca dos 100 mil pontos.


    Leia tudo sobre: Bovespa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.