álcool em gel
Reprodução
Álcool em gel foi um dos produtos que tiveram o preço elevado de maneira abusiva durante a pandemia

A Covid-19, além de seus catastróficos efeitos na saúde, por sua elevada propagação e alta taxa de mortalidade, produziu deletérios efeitos na economia popular.

Fornecedores oportunistas vislumbraram a possiblidade de lucrar com o caos e adotaram condenáveis práticas especulativas , como o aumento desproporcional de preços e a implantação e falsos boatos sobre possível desabastecimento, provocando uma corrida desesperada das pessoas aos mais diversos estabelecimentos.

Novo coronavírus e o cancelamento de viagens e pacotes turísticos

Desde março desse ano, o Procon-SP vem empreendendo uma verdadeira guerra contra os que abusam da boa-fé e da vulnerabilidade dos consumidores. Alguns represaram suas vendas para provocar aumento da demanda e, com isso, elevar arbitrariamente os preços.

É verdade que vivemos num regime de livre mercado, no qual a fixação dos preços segue a lei da oferta e da procura. Adam Smith, autor do clássico “Nature and Causes of the Wealth of the Nations” (A Riqueza das Nações), dizia que o Estado não deve interferir na economia , a qual é naturalmente regulada pela mão invisível do mercado.

Se um produto tem pouca oferta e muita demanda, seu preço subirá e os fornecedores aumentarão sua produção para obter mais ganhos. Aumentando a produção, aumenta também a oferta e o preço volta a cair.

Na pandemia: não pagar contas de água, luz, gás e telefone pode gerar cortes?

Nossa Constituição proíbe o controle estatal nos preços dos produtos, assegurando a livre concorrência entre as empresas (CF, art. 170). Essa regra, no entanto, não vale para períodos de grave crise econômica e extrema necessidade da população.

Imaginar que a economia liberal dispense sempre a interferência do Estado, como ocorria duzentos anos atrás, é ignorar as importantes conquistas da humanidade no último século.

Nesse sentido, o próprio art. 170 da Constituição Federal, em seus incisos III, V e VII, autoriza a intervenção do Estado para assegurar a função social da propriedade, a defesa do consumidor e a redução das desigualdades sociais. Não existe liberdade absoluta para o mais forte economicamente abusar do mais vulnerável.

Nosso Código Civil prevê os institutos do estado de perigo e da lesão, proibindo qualquer pessoa de se aproveitar da fragilidade ou desespero do outro para levar vantagem (CC, artigos 156 e 157).

A elevação de preços sem justificativa constitui prática abusiva , nos termos do Código de Defesa do Consumidor, o qual veda ao fornecedor obter vantagem desproporcional em prejuízo do consumidor (CDC, art. 39, V).

Do mesmo modo, a elevação oportunista do preço de produtos constitui crime contra a economia popular e a ordem econômica (Lei de Economia Popular, art. 3º, VI e art. 36, III, da Lei 12.529/11).

O álcool em gel , que era vendido a quinze reais (embalagem de meio litro), chegou a noventa reais. O pacote de cem máscaras pulou de quarenta para trezentos reais, o botijão de gás saltou de setenta para cento e vinte reais, e alguns produtos como arroz e feijão aumentaram mais do que o dobro.

Eventos cancelados na pandemia: como negociar com as empresas

Houve casos de falsificação de álcool em gel, o que configura crime hediondo com pena de até quinze anos de reclusão (Código Penal, art. 273, § 1º-A).

No que tange aos preços dos remédios, a Medida Provisória 933/2020 suspendeu por sessenta dias o reajuste de preços de medicamentos, que só poderá ser feito a partir de primeiro de junho.

Os casos de abuso devem ser denunciados ao site Procon-SP. Nesse momento, não dá para confundir livre comércio , com abuso de direito e oportunismo.


    Veja Também

      Mostrar mais