Tamanho do texto

Problemas na gramática podem ser muito mais graves do que a falta de experiência para os recrutadores; fotos inadequadas também atrapalham

Cometer erros de português na hora de elaborar um currículo pode ser mais prejudicial para sua contratação do que a falta de experiência na área, por exemplo. Pelo menos, é o que diz uma pesquisa realizada pela Catho, que mostrou que 34% dos candidatos são eliminados por problemas na gramática. Mas esse está longe de ser o único equívoco cometido por quem está em busca de uma oportunidade no mercado de trabalho.

Leia também: 8 erros que afastam você de qualquer entrevista de emprego

Recrutador avaliando currículo arrow-options
shutterstock
Demonstrar falta de foco e cuidado ao elaborar um currículo é um dos maiores problemas dos candidatos, afirmam os recrutadores

Pode parecer um assunto batido, mas elaborar um currículo sempre gera dúvidas. Seja você um profissional experiente ou marinheiro de primeira viagem, há sempre um dilema quanto ao que colocar e como causar uma boa impressão.

“Em um cenário de grande concorrência, o número de candidaturas para vagas está cada vez maior. Se queimar no primeiro contato por conta de erros de gramática não é perder uma oportunidade de entrevista, e sim, várias. O currículo deve receber muita atenção antes de ser enviado ao mercado”, recomenda a gerente da Catho, Bianca Machado.

Por mais que as intenções dos candidato ao elaborar um currículo sejam as melhores, é comum não saber se colocar uma foto ou exaltar características pessoais são informações relevantes e bem vistas aos olhos dos empregadores. 

Para Sérgio Margosian, gerente executivo da Michel Page, o ideal é demonstrar que foi investido tempo e cuidado na construção do currículo. “É importante que o candidato demonstre que teve cuidado ao criar o currículo e garanta que esse material esteja sendo apresentado da melhor forma possível, afinal, esse é o seu cartão de visitas, é o que vai te abrir as portas para uma possível entrevista e, quem sabe, uma contratação”, destaca.

Com base nas dicas de especialistas em recrutamento, o Brasil Econômico listou os maiores erros no currículo  cometidos na hora de elaborar um currículo e que podem estar te atrapalhando na busca por um emprego.

1. Erros de gramática 

Não adianta preencher todos os pré-requisitos, como graduação, cursos de especialização e experiência na área, se na hora de elaborar o currículo o candidato cometer erros básicos de português. 

Não usar a norma culta da língua também é outro fator que contribui com uma impressão negativa por parte do recrutador. O mesmo vale para problemas de digitação. Por isso, é imprescindível que o candidato faça uma revisão em todo o conteúdo do currículo - e não apenas confie no corretor ortográfico do Word - antes de compartilhar o documento com as empresas.

2. Tamanho exagerado

É importante ter em mente que, dependendo da vaga que você vai se inscrever, a concorrência pode ser enorme. Ainda segundo o levantamento da Catho, um recrutador recebe uma média de 30 a 50 currículos por vaga, desses, 5 a 10 candidatos chegam a participar de uma entrevista com o recrutador. Currículos muito longos e prolixos só dificultam a localização de informações importantes.

Além disso, fazer um currículo com mais de uma página, principalmente quando o cargo que está sendo disputado é destinado a um perfil júnior (que não se espera tanta experiência e informações do profissional) só aumenta as chances de o documento ser descartado.

Leia também: Desemprego: especialista diz como fazer um bom currículo e carta de apresentação

3. Nada de se gabar

Ambicioso, perfeccionista, dinâmico, dedicado, essas e outras caraterísticas pessoais, muitas vezes, não convencem o recrutador. Colocar menções elogiosas no currículo pode parecer arrogante ou até falso. 

Se o objetivo é destacar suas características, busque fazer isso ao priorizar informações objetivas, tais como experiência, resultados alcançados e projetos liderados. Aproveite o momento de contato da entrevista para potencializar as habilidades profissionais. 

4. Informações pessoais desatualizadas

Pode parecer que não, mas no ranking levantado pela Catho sobre os itens que não devem ser colocados no currículo de jeito nenhum, dados de contatos desatualizados ficam em primeiro lugar em disparada, segundo uma pesquisa feita com mais de 400 recrutadores.  74% deles elegeu esse como o principal erro. 

“Por mais simples que pareça, é muito comum o recrutador receber currículos com número de telefone e e-mail desatualizados. Facilmente esse currículo é descartado, diminuindo as chances desse candidato de participar do processo seletivo e, consequentemente, de ser contratado”, diz Machado

Ocupando a área mais nobre do currículo, o cabeçalho com os dados pessoais do candidato ocupa a base superior do documento e contém os principais meios de contato entre o recrutador e o profissional. Mesmo que pareça óbvio, é muito comum o entrevistador receber documentos com e-mail, endereço e número de telefone desatualizados.

5. Fotos inadequadas

Uma grande dúvida na hora de enviar o currículo é: colocar ou não uma foto? Bem, a resposta é simples. Se a empresa não solicitou o envio, não colocar é a melhor opção, afinal de contas, o objetivo do documento é destacar as qualificações profissionais do candidato.  

“Apesar de não ser tão comum, às vezes é interessante ter a foto. Se a ideia do candidato é associar sua imagem com o perfil profissional que ele construiu, como quem quer colocar uma marca ao seu currículo, pode ser uma boa ideia colocar foto”, diz Gabriel Tortejada, candidate experience manager da Revelo, empresa que  intermedia processos de recrutamento e seleção para várias profissões.

Algumas áreas em específico veem como diferencial o uso da foto. Nesses casos, dê preferência a fotos sóbrias, em formato 3x4, com fundo neutro. E claro, em boa qualidade. 

6. Falta de foco

A dificuldade para encontrar um emprego pode fazer com que o candidato aposte em diversas áreas de atuação para tentar uma oportunidade. Para economizar tempo, as pessoas costumam elaborar um currículo e disparar para várias empresas. O problema disso é que o documento acaba ficando sem foco e o campo "objetivo", muito genérico.

Leia também: Em busca do currículo perfeito? 5 dicas de especialistas para alcançar o sucesso

"O recrutador quer que a pessoa demonstre interesse na empresa dele. Por isso, o ideal é o que o campo 'objetivo' seja focado em uma área específica. Se o candidato é da área financeira, mas quer tentar vagas de tesoureiro e analista,  é preciso fazer dois currículos diferentes", afirma Tortejada. "Quanto mais abrangente forem as informações, maior é a impressão de que o candidato não está focado", finaliza.