Tamanho do texto

Consultores contam o que deve ser colocado e o que deve ser evitado no documento, que é a porta de entrada do emprego

Ser objetivo é uma das dicas mais básicas para a produção de um currículo ideal
Reprodução
Ser objetivo é uma das dicas mais básicas para a produção de um currículo ideal

Em meio a uma taxa de desemprego de quase 10% este ano, conseguir a vaga ideal parece cada vez mais difícil. Assim, a grande concorrência é um desafio desde o início do processo, ou seja, no envio do currículo. Afinal, o que fazer para que as informações sobre sua vida profissional chame a atenção do recrutador? Como convencer a empresa de que você merece ser chamado para uma entrevista?

Leia também: Carta de apresentação: saiba como fazer e o que deve ser evitado

Muitas perguntas podem vir à cabeça, como a colocação de foto, a quantidade de páginas ou se vale a pena ser detalhista na descrição, por exemplo. Pensando nisso, o iG consultou especialistas para ajudar na feitura de um currículo ideal, também com dicas sobre o que é essencial evitar.

De início, é essencial pensar em um currículo que seja claro e conciso, focado no seu objetivo profissional. É uma dica simples, porém muito eficaz, segundo a assessora de carreira da Catho, Larissa Meiglin.

Além disso, é importantíssimo se lembrar de que este documento é a porta de entrada (ou não) à vaga, ou seja, não cometa erros de português ou de digitação! Seja atencioso e detalhista nesse momento, erros indicam descuido ou desatenção, algo que reverbera de maneira muito negativamente nas empresas. “Pedir ajuda a um colega nesse momento também é válido. Outra pessoa pode perceber erros e te dar dicas de coisas que você não havia se atentado”, aponta o diretor de recrutamento da Stato Paulo Dias.

O que colocar ou o que evitar? Veja as dicas:

1. O essencial nunca é de mais (nem de menos)

Um entrevistador não quer perder muito tempo em um só currículo – então, deseja encontrar as informações básicas logo de cara: nome, idade, contatos, endereço residencial. Também é importante que exista a indicação do objetivo profissional de maneira clara, inclusive com o nome do cargo que se deseja alcançar.
Fique ligado: os resumos de competências e demais experiências profissionais devem ser selecionadas com cautela: apresente somente as informações mais relevantes e atuais (e a dica serve para graduações e cursos).
“É importante que o profissional consiga resumir toda a sua experiência em no máximo duas páginas. A atualização constante dos dados e a personalização do currículo para cada vaga aplicada são fatores que ajudam o trabalhador a conquistar oportunidades”, afirma Larissa.

2. Atenção com informações pessoais

Imagens? Documentos? Nada disso. Evite colocar fotos ou número de CPF ou RG. “Esses dados são totalmente desnecessários, a não ser que seja solicitado pelo recrutador”, avalia Paulo Dias.

3. Nada de mentiras!

Todo mundo sabe que proficiência em línguas estrangeiras e noções em informática são requisitos básicos em boas vagas de emprego. Sendo assim, estas informações devem estar no seu currículo, aparecendo por último. No entanto, ambos os especialistas destacam a importância de fazer uma autoanálise e informar com veracidade tais conhecimentos, não mentindo nunca. Por exemplo, se você só teve contato com o idioma durante aulas do Ensino Fundamental ou Médio, não é uma boa estratégia declarar conhecimento básico do idioma.

“Seja transparente, pois se seu currículo for selecionado, a mentira pode cair por terra na entrevista. E será muito pior, acredite”, destaca Paulo.

4. Formatação: busque o equilíbrio

Ser criativo e apresentar um currículo diferenciado pode dar muito certo... Ou dar completamente errado! Segundo Paulo, formatações criativas e extravagantes podem confundir o recrutador, sendo melhor optar pelas fontes clássicas como Times New Roman e Arial, em tamanho legível e na cor preta. “Usar negrito, itálico ou sublinhado também é permitido, principalmente para destacar títulos, empresas e cargos ocupados”, lembra.

5.  Pretensão salarial, devo informar?

Tudo bem, muitos recrutadores podem solicitar que a pretensão salarial seja informada no currículo ou durante o envio deste. Porém, caso isso não ocorra, é bom evitar colocar essa informação no documento, deixando para o momento da entrevista.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas