Monitoramento em tempo real e apreensão de equipamentos têm sido eficientes na luta contra o desmatamento
Florian Plaucheur/Divulgação
Monitoramento em tempo real e apreensão de equipamentos têm sido eficientes na luta contra o desmatamento

O estado do Mato Grosso acumula redução média de 31,5% nos alertas de desmatamento nos últimos seis meses. As informações são do DETER - Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real do INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.

Entre agosto de 2020 e janeiro deste ano houve o alerta de desmatamento para 673 km² no estado, enquanto no ano anterior foi detectado o corte raso de 983 km², o que significa uma redução de 31,5% no período. Agosto é o mês de início do ciclo de monitoramento dos índices.

Conforme a secretária de Estado de Meio Ambiente , Mauren Lazzaretti , a redução é resultado da Política Estadual de Tolerância Zero , e dos investimentos na prevenção e combate ao desmatamento e incêndios .

Segundo ela, o governo está fortalecendo o combate aos crimes ambientais com monitoramento em tempo real do território mato-grossense, tanto das queimadas quanto do desmatamento.

"A desmobilização dos infratores com as apreensões de equipamentos utilizados no desmatamento, o embargo da área, e a aplicação de multas, também possibilitam que possamos fortalecer quem trabalha na legalidade", explica.

Em janeiro de 2021 houve a maior redução do período, com queda de 63% na área de alerta de desmatamento. Em agosto, início do ciclo de monitoramento, o índice foi de menos 22%, em setembro, menos 47%, outubro manteve o desmatamento equivalente ao ano anterior, novembro a redução foi de 19% e dezembro de 6%. 

Política de tolerância zero

Você viu?

A criação do Comitê Estratégico para o Combate do Desmatamento Ilegal , a Exploração Florestal Ilegal e aos Incêndios Florestais (CEDIF-MT), em março de 2020, fortalece as ações do Estado por integrar diversos órgãos: Casa Civil, Polícia Militar, Polícia Judiciária Civil, Corpo de Bombeiros Militar e Instituto de Defesa Agropecuária (Indea), e as secretarias de Meio Ambiente e Segurança.

Segundo o secretário executivo da Secretaria do Meio Ambiente, Alex Marega, o comitê integra as principais agências de combate ao desmatamento e congrega esforços para que o planejamento seja feito de maneira adequada, com a utilização de tecnologia, e distribuição do esforço humano nas áreas onde estava ocorrendo o desmatamento e as queimadas no estado.

O monitoramento preventivo identifica o desmatamento em tempo real, ainda no início, e permite que a ação ilegal seja interrompida e penalizada. A Plataforma de Monitoramento, com imagens do Satélite Planet, monitora todo o território mato-grossense e gera alertas de alterações na cobertura vegetal. O serviço foi adquirido com recursos do Programa REDD+ For Early Movers (REM).

A apreensão de equipamentos é um importante pilar, pois descapitaliza o criminoso. Nas operações, além da apreensão dos equipamentos os responsáveis são conduzidos para responsabilização. No ano passado foram apreendidos 157 tratores, 11 caminhões, um helicóptero, e 492 pessoas foram conduzidas à delegacia.

A gestão da fiscalização também avançou com o monitoramento remoto. De acordo com a análise feita dos alertas, são enviadas equipes a campo para a fiscalização, que já atua com base em dados preliminares. Além disso, realiza a autuação remota e embargo de áreas desmatadas.

O DETER foi desenvolvido como um sistema de alerta para dar suporte à fiscalização e controle de desmatamento e da degradação florestal realizadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e demais órgãos.

Com informações do Secom-MT

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários