FUP critica possível mudança em decisão sobre preços da Petrobras
Redação 1Bilhão
FUP critica possível mudança em decisão sobre preços da Petrobras

O coordenador-geral da FUP (Federação Única dos Petroleiros), Deyvid Bacelar, criticou nesta quarta-feira (27) a possível mudança na forma de tomada de decisão sobre os reajustes da Petrobras. O Conselho de Administração da estatal se reúne hoje para discutir a proposta de transferir para si a decisão sobre os reajustes dos preços dos combustíveis. Atualmente, ela é de responsabilidade de um comitê formado pelo presidente da Petrobras e pelos diretores de Logística e Comercialização e de Finanças.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

"Considero mais um oportunismo eleitoreiro do presidente @jairbolsonaro a decisão de alterar a governança sobre o reajustes de preços da Petrobras, sem mudar a sua política de paridade com a importação (PPI)", publicou Bacelar nas redes sociais.

"A 70 dias das eleições, Bolsonaro se diz preocupado com os aumentos de preços dos combustíveis praticados em seu governo. Ele, em 3 anos e meio de governo, não fez nada para mudar o PPI", completou.

O governo se prepara para eleger um novo conselho em assembleia no próximo dia 19 de agosto. A lista de indicados tem dois nomes já rejeitados por órgãos internos de governança por um possível conflito de interesses: o do secretário-executivo da Casa Civil, Jônathas Castro, e o do procurador-geral da Fazenda Nacional, Ricardo Soriano. Em seus cargos atuais, ambos têm informações privilegiadas que poderiam favorecer o acionista majoritário da Petrobras, a União.

A possível alteração na governança da política de preços da Petrobras é uma tentativa do governo em frear os preços dos combustíveis e melhorar a imagem do presidente Jair Bolsonaro (PL) às vésperas das eleições. Na nova pesquisa Ipespe, divulgada nesta segunda,  Bolsonaro aparece em segundo lugar, com 35% dos votos, atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que tem 44%.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários