Bolsonaro ainda ironizou governos passados e disse que
Reprodução/Facebook
Bolsonaro ainda ironizou governos passados e disse que "não atrapalha o empreendedor"

O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta quinta-feira (21) jovens que culpam o governo pela falta de emprego. Segundo ele, o governo não cria empregos e pode apenas não "atrapalhar" os empreendedores. Por isso, os jovens deveriam "correr atrás".

"Por que o ensino foi de mal a pior nos governos do PT? Porque interessa a juventude ser doutrinada, ser um boca aberta aí. (Dizem) 'A culpa é do governo. Cadê o meu emprego?'" disse o presidente, em tom irônico.

"Você tem que correr atrás. Eu não crio emprego. Quem cria emprego é a iniciativa privada. Eu não atrapalho o empreendedor", concluiu.

A declaração ocorreu durante conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada. Bolsonaro citou a Lei da Liberdade Econômica, sancionada em 2019, como um dos feitos do seu governo que teriam auxiliado na criação de empregos.

No primeiro trimestre de 2020, a taxa de desemprego entre jovens de 18 a 24 anos atingiu 26,3%, subindo a 30% no mesmo período do ano seguinte. No primeiro trimestre de 2022, recuou a 22,8%.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Na conversa com apoiadores, Bolsonaro fez uma comparação do seu governo com o da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), dizendo que ele criou empregos mesmo durante a pandemia de Covid-19.

"Por isso enfrentamos 2020 e 2021. Terminamos com saldo positivo de quase 3 milhões de empregos em 20, 21. Vai para 2015, 2016, Dilma Rousseff. Perdemos quase 3 milhões de empregos. Nós, com pandemia, criamos. Não teve nada lá. O que teve lá para perder 3 milhões de empregos?", declarou

Em 2021, o Brasil criou 2.730.597 vagas de emprego formal, revertendo o fechamento de 191.455 mil vagas em 2020. O salário médio de admissão, no entanto, vem caindo. Já em 2015, foram fechadas 1,542 milhão de vagas. No ano seguinte, foram mais 1,32 milhão.

Ao assumir a Presidência, Bolsonaro acabou com o Ministério do Trabalho, que foi incorporado à pasta da Economia. No ano passado, contudo, o ministério foi recriado como parte de um arranjo político para acomodar Onyx Lorenzoni.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários