Guedes minimizou críticas passadas e defendeu a PEC das Bondades
redacao@odia.com.br (O Dia)
Guedes minimizou críticas passadas e defendeu a PEC das Bondades

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a defender a aprovação da PEC das Bondades e rebateu críticas de opositores sobre o texto da matéria. Segundo Guedes, a proposta visa reduzir o indicador de pobreza e recuperar a economia do país.

Em evento que marcou a posse do novo presidente do Comitê de Valores Mobiliários (CVM), João Pedro Nascimento, o ministro citou que o reajuste do Auxílio Brasil foi uma medida certeira para evitar a fome e a corrida por lenha em meio ao alto preço do gás de cozinha. Guedes ainda disse que o Brasil está "condenado a crescer", ironizando a repercussão na imprensa sobre a aprovação da PEC e negou o perfil eleitoreiro do texto.

"Se fazemos a transferência de renda, é medida eleitoreira. Então deixamos morrer de fome?", disse.

A proposta foi promulgada pelo Congresso Nacional na última sexta-feira (15) e prevê o reajuste do Auxílio Brasil para R$ 600 até dezembro deste ano. O texto foi chamado de Pacote Eleitoreiro ou do Desespero, pois foi colocado em votação às vésperas das eleições e com o presidente Jair Bolsonaro (PL) na segunda colocação nas pesquisas de intenções de votos.

Além do Auxílio Brasil, a medida ainda mexe no vale-gás e cria um voucher para caminhoneiros e taxistas.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Paulo Guedes, no entanto, nem sempre foi a favor da PEC. Em fevereiro, a equipe econômica criticou o texto apresentado pelo senador Carlos Fávaro (PSD-MT) e passou a chamar a proposta de Kamikaze, pelo gasto elevado.

As críticas sobre o aumento de gastos fez crescer a pressão sobre o ministro. A ala política aliada ao Bolsonaro e o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), tentar contornar Guedes e mostrá-lo a necessidade de aumentar os custos para demandas políticas.

Crescimento do país

Guedes ainda afirmou que o país voltou a crescer e ressaltou o trabalho feito pela equipe econômica para revisar o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, reajustado para 2% na última semana.

"Não acreditem nas histórias que colocam o Brasil para baixo. As pessoas, por política, sabotam o Brasil", disse o ministro. 

"O Brasil teve um desempenho surpreendente para quem não acreditava no Brasil", concluiu.

O ministro reafirmou que o Brasil irá crescer mais que as grandes economias do mundo. Guedes lembrou dos investimentos de US$ 800 bilhões junto ao setor privado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários