Justiça de São Paulo decreta falência da Ricardo Eletro. E empresa recorre
Reprodução
Justiça de São Paulo decreta falência da Ricardo Eletro. E empresa recorre

A Justiça de São Paulo decretou nesta quarta-feira (8) a falência da Máquina de Vendas, grupo dono da Ricardo Eletro. A empresa pediu recuperação judicial em agosto de 2020, quando acumulava mais de R$ 4 bilhões em dívidas e anunciou o fechamento das 300 lojas físicas da rede.

A decisão do juiz Leonardo Fernandes dos Santos, da 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais do Foro Central da Comarca de São Paulo, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), considerou esvaziamento patrimonial da companhia.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

O magistrado manteve a Laspro Consultores como administradora judicial, tendo Oreste Nestor de Souza Laspro como seu representante.

O presidente da Máquina de Vendas, Pedro Bianchi, disse que a Máquina de Vendas foi pega de surpresa e recorreu da decisão nesta quinta-feira (9):

"Nós temos 17 mil credores e nenhum deles pediu a nossa falência. Não houve questionamento da Justiça à empresa. E esse esvaziamento patrimonial que teríamos feito foi a baixa no estoque pelo fechamento das lojas. São recursos que fomos consumindo na operação até a homologação do plano de recuperação judicial. Tudo conforme", conta o executivo, que espera uma decisão da Justiça para esta sexta-feira (10).

O plano de recuperação judicial foi aprovado em setembro de 2021 em assembleia por 75% dos credores, continua Bianchi.

"Mas o juiz até hoje não homologou o plano. Estamos com as contas relativas ao plano todas aprovadas, com a folha de pagamento em dia. E reativando o site, como lançamento da nova marca do nosso e-commerce na terça-feira (14). Foi uma decisão irresponsável", avalia o empresário.

Pela decisão, todos os credores terão seus direitos e garantias restabelecidos às condições originalmente contratadas, deixando de fora valores que tenham sido pagos ao longo do processo de recuperação judicial. Será preciso ainda levantar e avaliar os ativos da companhia para fazer frente à quitação de débitos.

A volta ao varejo físico está nos planos para o ano que vem.

Voltando a vender

O site da Ricardo Eletro já tem um mix de três mil itens à venda, incluindo produtos de marcas como Samsung e Philips, em eletroeletrônicos, e Probel, em colchões.

Bianchi afirma que outros 27 mil itens vão entrar no site nos próximos três meses. A estratégia é crescer atuando com marketplace, perseguindo a meta de chegar ao último trimestre do ano com faturamento de R$ 100 milhões por mês. 

Questionado sobre o momento desafiador da economia, com inflação em alta e perda de poder de compra da população, o executivo argumenta que a Ricardo Eletro tem a vantagem de ter, neste momento, um "custo fixo muito baixo", o que permite cobrar taxas maiores dos vendedores de seu marketplace.

Crise e dívida crescente

A Máquina de Vendas nasceu da união entre Insinuante e a Ricardo Eletro, ocorrida em 2010. Nos dois anos seguintes, comprou City Lar, Eletro Shopping e Salfer. A partir de 2016, reuniu todas essas marcas do varejo sob a bandeira Ricardo Eletro. Quando encerrou a operação das lojas físicas, demitiu 3.600 funcionários. 

Os problemas na empresa se arrastam há anos. Em 2018, a empresa iniciou um processo de recuperação extrajudicial, então com uma dívida de R$ 2,5 bilhões, quando conseguiu alongar prazos para pagamentos de débitos com bancos e outros credores.

Pouco antes do pedido de proteção à Justiça, em 2020, Ricardo Nunes, fundador da Ricardo Eletro chegou a ser preso sob suspeita de sonegação de impostos em operação realizada pelo Ministério Público de Minas Gerais. Foi posteriormente liberado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários