Indústria avança 0,1% em abril, mas produção acumula queda de 3,4% no ano
Redação 1Bilhão
Indústria avança 0,1% em abril, mas produção acumula queda de 3,4% no ano

A produção industrial brasileira segue sem sinais de robusto crescimento. O setor avançou 0,1% na passagem de março para abril deste ano, segundo dados da Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgados pelo IBGE nesta sexta-feira (3). Nos quatro primeiros meses, acumula queda de 3,4%.

Se considerados os últimos doze meses, o setor acumula retração de 0,3%. É o primeiro resultado negativo desde março de 2021(-3,1%). Na comparação com abril de 2021, produção caiu 0,5%. O resultado não foi uma surpresa para os analistas, que esperavam alta de 0,1% no trimestre.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Este é o primeiro resultado setorial apresentado pelo IBGE referente ao mês de abril, passando a contemplar parte do desempenho do segundo trimestre deste ano. Na última quinta-feira, o IBGE divulgou a alta de 1% do PIB no primeiro trimestre, com a indústria ainda patinando no período.

O gerente da pesquisa, André Macedo, explica que o setor industrial teve uma melhora em seu desempenho nos últimos três meses em que colheu resultados no campo positivo. Mas essa melhora está atrelada ao fim das restrições sanitárias e é insuficiente para compensar as perdas do passado.

"Mesmo que nos últimos 6 meses a indústria tenha mostrado 5 taxas no campo positivo, ainda assim está 1,5% abaixo de fevereiro de 2020", diz Macedo.

Segundo o IBGE, as plantas industriais ainda percebem o aumento do custo de produção e a escassez de algumas matérias-primas.

Perspectivas

A economia brasileira tem sido impulsionada, conforme resultado do primeiro trimestre deste ano, pelo consumo das famílias. O consumo, contudo, não é o suficiente para alavancar a indústria. A inflação elevada e a alta dos juros atuam como limitadores sobre o desempenho do setor. Isso porque a inflação corrói renda das famílias, enquanto os juros altos encarecem o crédito, o que prejudica a demanda interna principalmente por itens do setor de bens duráveis.

Pelo lado da oferta, o setor industrial ainda enfrenta problemas com a desorganização das cadeias produtivas, que levou à falta de componentes e ao encarecimento das matérias-primas usadas pelas fábricas. 

Apesar do cenário desafiador para o setor, empresários estão mais otimistas para os próximos meses. O Índice de Confiança da Indústria (ICI) do FGV IBRE subiu 2,3 pontos em maio, para 99,7 pontos, o maior nível desde dezembro de 2021, quando ficou em 100,1 pontos.

"A magnitude da alta foi influenciada ela recuperação expressiva do otimismo entre os produtores de não duráveis. No extremo oposto, a única categoria de uso a registrar aumento do pessimismo no mês é a de bens duráveis, uma cautela que está diretamente relacionada ao aumento gradual das taxas de juros”, comenta Aloisio Campelo Jr., economista do FGV IBRE.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários