OPEP+ estuda aumentar produção em meio à escassez de diesel global
Marcello Casal Jr/ Agência Brasil
OPEP+ estuda aumentar produção em meio à escassez de diesel global

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), liderada pela Arábia Saudita, e uma coalizão de outros produtores liderada pela Rússia, juntos conhecidos como Opep+, aprovou o aumento da produção de barris de petróleo para conter o avanço dos preços e evitar escassez global do insumo. 

Isso representa um crescimento de 50% em relação ao aumento de 432 mil barris que vem sendo praticado nos últimos meses.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

A organização tem promovido aumentos graduais na produção, mesmo assim o preço do barril Brent bate US$ 116 nesta quinta-feira (2) e segue acima de US$ 100 desde o início da guerra entre Rússia e Ucrânia, a 98 dias. 

Brasil se prepara para crise

Diante do risco de falta de diesel no segundo semestre, as principais distribuidoras estão aumentando seus estoques , de acordo com executivos e fontes do setor. Na Vibra (ex-BR), a maior empresa do país no segmento, o volume armazenado aumentou preventivamente de sete para nove dias de consumo. Raízen e Ipiranga também estão guardando uma quantidade maior, ampliando o estoque de três para quatro dias, de acordo com fontes. O assunto também preocupa o governo, que estuda criar um protocolo de crise para o abastecimento de diesel.

O temor das empresas é motivado por um cenário que conjuga expectativa de crescimento maior do PIB do que o previsto anteriormente — o que significa consumo maior de combustível —, previsão de uma das piores temporadas de furacões no Golfo do México nas últimas décadas, fim do lockdown na China (o que estimula a economia global e a demanda pelo produto) e aumento do embargo efetivo ao petróleo russo.

Segundo a Abicom, associação dos importadores, a defasagem no preço do diesel persiste após o reajuste de 8,9% em maio. Ontem, a diferença de preço entre o valor cobrado pela Petrobras e o mercado internacional era de 6% (ou R$ 0,33 por litro).

Argentina já enfrenta escassez

Estudo da Federação Argentina de Entidades Empresariais de Transportes de Carga (FADEEAC) mostra que pelo menos oito províncias argentinas têm pouca ou nenhuma oferta de diesel nos postos de combustíveis : Jujuy, Salta, Formosa, Tucumán, Misiones, Corrientes, Entre Ríos e Santa Fe, áreas que fazem fronteira com o Brasil, Uruguai, Paraguai, Bolívia e Chile.

O levantamento, que mapeia em tempo real o fornecimento de diesel na Argentina, começou a ser realizado há cerca de dois meses e inclui informações de 43 câmaras de transporte que compõem a Federação, o que representa cerca de 4.400 empresas argentinas.

Europa de olho no verão

A Europa pode enfrentar escassez de combustível neste verão devido à redução nos fornecedores de petróleo, disse o chefe da Agência Internacional de Energia, Fatih Birol, à Spiegel da Alemanha.

"Quando a principal temporada de festas começar na Europa e nos EUA, a demanda por combustível aumentará. Então poderemos ver escassez: por exemplo, com diesel, gasolina ou querosene, principalmente na Europa", disse Birol.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários