Petrobras: Política de preços garantiu alta de papéis da estatal
Ivonete Dainese
Petrobras: Política de preços garantiu alta de papéis da estatal

Nos últimos dois meses, a Petrobras passou por turbulências em série. O comando da petroleira passou do general Joaquim Silva e Luna para José Mauro Coelho, que durou apenas 40 dias no cargo até ser demitido pelo presidente Jair Bolsonaro em razão da política de preços. Agora, a estatal aguarda a confirmação de Caio Paes de Andrade para a presidência. 

Apesar do cenário de incertezas, as ações com e sem direito a voto da companhia tiveram o melhor desempenho, em dólares, entre os papéis das dez maiores petroleiras do mundo, conforme levantamento da Economática: subiram quase 20%.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

Isso aconteceu porque, apesar das mudanças recorrentes no comando da companhia, o pilar da política de preços — que repassa ao valor cobrado nas refinarias a flutuação nas cotações do dólar e do petróleo — foi mantido. No entanto, o ruído do presidente da República, com ataques frequentes à política da Petrobras a cada reajuste de combustíveis, causa apreensão, reconhecem especialistas. 

Ou seja, na leitura do mercado, o governo pode lançar mão de gestos políticos, trocar o comando da empresa diversas vezes, mas ainda não encontrou brecha para mudar a política de preços. Analistas admitem até que haja ajustes, como um intervalo maior entre os aumentos, mas, enquanto a essência da política implementada em 2016 for mantida, o papel se manterá atraente.

O governo tem feito incursões mais frequentes e agora sinaliza mudanças no conselho e na diretoria da estatal. Ainda assim, o mercado avalia que, após a Lava-Jato, os mecanismos de proteção na governança da companhia podem fazer a diferença. 

"Eu não acredito que eles mudem a política de preços da Petrobras, que fez com que a empresa conseguisse sair de um estado de quase estar quebrada para virar uma empresa com uma dívida relativamente baixa e margens de lucro altas", disse o chefe de Renda Variável da Levante Investimentos, Flávio Conde.

No primeiro trimestre deste ano, a estatal reportou o maior lucro já alcançado por uma companhia aberta no Brasil para esse período, conforme levantamento da Economática, de R$ 44,5 bilhões. A dívida bruta cedeu de R$ 70,9 bilhões para R$ 58,5 bilhões em um ano.

"O novo presidente já falou que não tem como mexer na política de preços. A Petrobras fez um trabalho de governança que impede que se mexa nisso", disse o analista de investimento da Mirae Asset Corretora, Pedro Galdi.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários