Redução do imposto de importação não fará diferença no bolso dos brasileiros, apontam especialistas
Reprodução/iG Minas Gerais
Redução do imposto de importação não fará diferença no bolso dos brasileiros, apontam especialistas

A nova redução de 10% de alíquotas do Imposto de Importação de bens comercializados, anunciada nesta segunda-feira (23) pelo Ministério da Economia causará um impacto muito pequeno na vida dos brasileiros. Segundo a pasta, a medida reduz os tributos de bens como feijão, carne, massas, biscoitos, arroz, materiais de construção e tem validade até 31 de dezembro de 2023. Especialistas ouvidos pelo DIA, valores que são mais importantes para os consumidores seguirão em alta.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

De acordo com o governo, a medida deve contribuir para o baratear quase todos os bens importados. Mais de 87% dos códigos tarifários tiveram a alíquota zerada ou reduzida em um total de 20%. Para o economista e professor do ibmec, Marcio Sette Fortes, haverá duas situações a se notar com a redução dos impostos de importação.

"A primeira é a competição via preços, na qual os importados mais baratos pressionam os preços dos produtos nacionais para baixo. A segunda é que, caso essa pressão baixista não consiga em algum caso reduzir preços, face a vendedores que engessam suas margens, ainda assim ela coloca um freio nos preços dos produtos nacionais, contendo a inflação", disse.


Segundo Caio Ferrari, economista e professor do ibmec, o imposto de importação só irá beneficiar os brasileiros se tornar maior a "competição" de preços no mercado nacional.

"Um imposto de importação é prejudicial para a população no sentido de tornar mais caro bens no mercado local, mas beneficia principalmente os produtores e aumenta a arrecadação do governo. Ao se retirar o imposto, se aumenta a competição no mercado nacional, por tornar a oferta maior a um custo mais baixo e os consumidores são os principais beneficiados diretamente", afirmou.

O economista reforça que devido a inflação ser "generalizada" e "bem espalhada" os valores que são mais importantes para os consumidores devem continuar em alta, por isso a redução provavelmente não terá impacto na vida dos brasileiros.

"O IPCA tem mostrado, que a inflação tem sido generalizada e bem espalhada pela economia, então por mais que pelo custo mais baixo de importação, os demais preços que são importantes para os brasileiros (como combustíveis e etc) devem seguir na tendência de alta, logo provavelmente para o consumidor final, no mercado essa medida não vai ser tão perceptível", disse Caio.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários