Adolfo Sachsida: conheça o novo ministro de Minas e Energia
Anderson Riedel/Presidência da República
Adolfo Sachsida: conheça o novo ministro de Minas e Energia

 O novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida , está no governo de Jair Bolsonaro desde o início e é servidor de carreira do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Nos últimos anos, Sachsida mantinha o discurso de defesa da consolidação fiscal na estratégia do Ministério da Economia, onde havia atuado desde o início do governo, com reforço das políticas fiscais e a realização de reformas pró-mercado com foco em aumento de produtividade.

No Ministério da Economia, foi secretário de Política Econômica da pasta desde o início da gestão. A secretaria é responsável pelas projeções macroeconômicas do governo, como a de inflação e PIB, que vinham aparecendo bem acima das expectativas do mercado. Ele assumiu a chefia da Assessoria Especial de Assuntos Estratégicos em fevereiro deste ano.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Doutor em economia pela Universidade de Brasília (UnB), ele tem pós-doutorado pela Universidade do Alabama, nos Estados Unidos, e também lecionou na Universidade do Texas. O novo ministro é advogado, com estudos na área de direito tributário.

Vale-gás e o preço dos combustíveis

Sachsida evitava tecer muitos comentários sobre assuntos que não eram ligados diretamente à sua área de atuação. Em evento da Frente Parlamentar de Empreendedorismo (FPE), na terça-feira, véspera de sua nomeação, não respondeu aos jornalistas sobre a alta mais recente do preço do diesel.

Mas, em 4 de março, quando participou de entrevista coletiva sobre o resultado do PIB, Sachsida foi questionado sobre a expansão do vale-gás e disse que algumas medidas podem ter boas intenções, mas gerar resultado negativo.

"Algumas vezes as medidas têm boas intenções, mas terminam com resultado negativo. Temos de tomar muito cuidado para que as medidas tomadas não agravarem a situação. Por isso a economia se posiciona contra determinadas medidas, pois apesar da intenção ser boa, o resultado pode ser ruim. Temos de trabalhar para que o resultado também seja bom", disse ele na ocasião.

Na mesma entrevista, ele foi perguntado sobre a mudança na política de preço da Petrobras, que estabelece a paridade com a cotação do petróleo no mercado internacional, e a criação de um fundo estabilizador:

" Se eu criar medidas que gerem receio sobre a consolidação fiscal, risco país sobe, real se desvaloriza, combustíveis sobem. Começa com uma medida para reduzir o preço do combustível, mas é equivocada. Vai ter o resultado contrário. Entendo a demanda do Congresso e da sociedade, mas cabe a nós mostrar que elas não vão ter o resultado esperado."

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários