ANP faz leilão de 379 blocos nesta quarta. Ambientalistas recorrem à Justiça contra impactos
Divulgação
ANP faz leilão de 379 blocos nesta quarta. Ambientalistas recorrem à Justiça contra impactos

Nesta quarta-feira (13), a Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP) realiza uma nova rodada de leilão de 379 blocos para exploração e produção de petróleo e gás. Ambientalistas, porém, contestaram ontem na Justiça a falta de comunicação com as comunidades locais e os impactos ambiental e econômico, uma vez que muitos moradores dependem da pesca e cultivo para sobrevivência.

São 347 blocos em terra e 32 em alto mar, os quais estão espalhados nos estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Alagoas, Sergipe, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

As áreas do 3º Ciclo da Oferta Permanente de Concessão são remanescentes de licitações passadas as quais não tiveram interesse.

Os blocos ficam em sete bacias: Santos, Pelotas, Espírito Santo, Recôncavo, Potiguar, Sergipe-Alagoas e Tucano.

Leia Também

Segundo a ANP, a arrecadação de bônus dependerá das ofertas recebidas no dia.

Considerando a exploração de óleo e gás alheia aos entornos, o Instituto Internacional Arayara entrou com uma representação na Justiça Federal contestando o impacto direto à biodiversidade e comunidades em algumas áreas, assim como a falta de consulta a estes moradores e os riscos à conservação marinha.

"Entre os impactados estão colônias de pescadores artesanais, quilombolas, comunidades indígenas e outros povos tradicionais extrativistas. Outro ponto é que tem unidades de conservação marinha em que o limite da exploração está a 10 metros da unidade. Não há zona de amortecimento", diz Juliano Bueno de Araújo, engenheiro ambiental e diretor do Instituto Internacional Arayara. 

A ANP, por sua vez, diz que para todas as áreas ofertadas houve prévia manifestação conjunta do Ministério de Minas e Energia e do Ministério do Meio Ambiente, complementadas, no caso das bacias em terra, por pareceres dos Órgãos Estaduais do Meio Ambiente.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários