Entre os motivos citados pela revista, além das sanções em represália a Guerra na Ucrânia, está a desvalorização do rublo
Reprodução
Entre os motivos citados pela revista, além das sanções em represália a Guerra na Ucrânia, está a desvalorização do rublo

Os impactos das sanções ocidentais à Rússia fizeram-se sentir também na lista das maiores fortunas do mundo divulgadas anualmente pela revista Forbes. Segundo a publicação americana, o país governador por Vladimir Putin perdeu 35 bilionários entre 2021 e 2022. Entre os motivos citados pela revista, além das sanções em represália a Guerra na Ucrânia, está a desvalorização do rublo.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Mesmo os que continuaram na listagem, que reúne os 2.668 mais ricos do planeta, viram suas fortunas estagnarem ou caírem. Os 83 bilionários russos restantes valem 'apenas' U$ 320 bilhões no total, menos U$ 263 bilhões do que ano passado. Na média, os magnatas russos perderam 27% de sua riqueza entre 2021 e 2022.

Entre bilionários russos que tiveram as maiores perdas estão: Leonid Mikhelson (-$ 10,9 bilhões), Alexey Mordashov (-$ 15,9 bilhões), Gennady Timchenko (-$ 10,7 bilhões), Vagit Alekperov (-$ 14,4 bilhões), Suleiman Kerimov (-US$ 11,4 bilhões) e Tatyana Bakalchuk (-US$ 10,9 bilhões).Outro que viu a sua fortuna diminuir foi Roman Abramovich, dono do clube de futebol Chelsea.

Ao todo, a Forbes listou 2.668 bilionários, um total menor do que no ano passado: 329 pessoas tiveram um “downgrade”, o maior número de quedas desde 2009. A fortuna somada dos bilionários também encolheu para US$ 12,7 trilhões, contra US$ 13,1 trilhões em 2021.

O ranking é liderado por Elon Musk, cuja fortuna estimada em março era de US$ 219 bilhões. Apesar de já aparecer em outras listas, como da Bloomberg, como o homem mais rico do mundo, é a primeira vez que Musk encabeça o levantamento da Forbes.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários