Preços devem permanecer em patamar elevado por um longo período, com expectativa de que sanções à Rússia sejam mantidas
Reprodução: ACidade ON
Preços devem permanecer em patamar elevado por um longo período, com expectativa de que sanções à Rússia sejam mantidas

O aumento da inflação é a consequência mais clara e rápida da guerra entre Rússia e Ucrânia para o mundo e para o Brasil, explicaram os participantes do evento. A alta dos preços já era o maior problema macroeconômico de curto prazo desde que a pandemia de Covid-19 bagunçou as cadeias globais de abastecimento, mas foi agravada pelo conflito, sobretudo devido à alta nos preços das commodities.

"A gente vai ter um mundo com inflação alta durante mais tempo. Nos EUA deve ficar na faixa de 4%, 5%, durante anos", comentou Castelar.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

O professor do Instituto de Economia da UFRJ destacou que parte dos distúrbios se deve à guerra em si, mas outra parte se dá por causa das sanções do Ocidente contra a Rússia, que puxaram sobretudo os preços do petróleo no mercado internacional:

"E as sanções não devem acabar com a guerra."

Outras commodities, como o trigo, também saltaram e causaram aumento nos custos das empresas.

Leia Também

"O efeito principal é a inflação. A Ucrânia e a Rússia, juntas, são responsáveis por quase 30% (das exportações) do trigo no mundo", disse Gustavo Theodozio, da M. Dias Branco. "O preço do trigo no mercado global subiu quase 60%. É um desafio. O repasse de preço acaba tendo que acontecer."

‘É um mundo diferente’

Para Luís Rua, da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), a pandemia já foi bastante disruptiva em relação às cadeias globais de valor, e o conflito entre dois produtores relevantes de commodities ligadas à alimentação é mais um distúrbio preocupante:

"É um mundo diferente em Nova York, em Genebra e até mesmo na minha querida Mogi-Guaçu. Tudo que tínhamos pensado na década de 1990, nos anos 2000, se alterou com esses acontecimentos", afirmou.

Segundo ele, será preciso repassar a alta de custos:

"Infelizmente para o consumidor final, devemos ver a necessidade por parte dos produtores de repasses de preços num momento bastante complicado para continuar sobrevivendo."

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários