Remédios devem ficar mais caros em abril; veja dicas para economizar
shutterstock
Remédios devem ficar mais caros em abril; veja dicas para economizar

Os medicamentos devem ficar mais caros a partir do dia 1º de abril, quando, normalmente, entra em vigor a autorização de reajuste pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), vinculada à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).  A previsão do mercado é de que esse aumento seja acima de dois dígitos, impactando ainda mais as finanças dos brasileiros.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

A 5ª Edição da Pesquisa Sobre o Comportamento do Consumidor em Farmácias no Brasil, realizada pelo Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Corporativa (IFEPEC), em parceria com a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), revelou que os consumidores estão cada vez mais atentos para economizar na hora de comprar remédios.

Do total de entrevistados, 79,9% afirmaram que o preço é o principal fator para a escolha da fármacia. No ano passado, esse percentual foi de 75,4%. Além disso, mais de 86% dos brasileiros disseram participar de algum programa de fidelidade para obter descontos durante a compra.

A pesquisa também destaca outro ponto: a quantidade média de produtos na cesta dos consumidores caiu de 3 para 2,6, e o ticket médio passou de R$ 55,02 para R$ 43,71. Os entrevistados também declararam priorizar itens com preços menores. O valor médio por item teve queda de R$ 18 para R$ 16,81.

"Atualmente, se compra menos unidades por visitas às farmácias e se busca produtos de preço menor. Com isso, a redução do ticket médio é bastante significativa", aponta o presidente da Febrafar, Edison Tamascia.

Leia Também

Como economizar?

O que fazer então para pagar menos na hora de comprar medicamentos? "Mesmo os medicamentos tendo preços tabelados, é possível economizar. Uma coisa que poucas pessoas sabem é que se tabela apenas o valor máximo. O mínimo pode ser estabelecido pelas fármacias de acordo com suas estratégias comerciais", explica o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (ABEFIN), Reinaldo Domingos.

Veja algumas dicas do especialista:

  • Pesquise preços

Pesquise em diferentes farmácias. Uma drogaria pode até mesmo cobrir o preço da concorrente. A recomendação também é participar de programas de fidelidade, para conseguir descontos nas próximas compras.

  • Defina o que quer comprar

É importante ter bem claro o que se deseja comprar na farmácia. Por isso, você pode criar uma lista pré-definida de produtos, evitando comprar por impulso.

  • Pesquise genéricos e similares

Na grande maioria das vezes, os medicamentos genéricos ou similares são mais em conta. Assim, a orientação é sempre buscar por essa alternativa nas farmácias, e quando o médico for elaborar a prescrição, solicitar que ele coloque o princípio ativo em vez da marca. Pesquise também entre laboratórios, pois os preços são variados.

  • Cadastre-se no programa Farmácia Popular

Muitas farmácias participam do programa Farmácia Popular, do governo federal. Com ele, o consumidor pode pagar até 90% menos em seu medicamento. Para isso, basta ir a uma farmácia credenciada, apresentar a receita - que não precisa ser de um médico do Sistema Único de Saúde (SUS) - e a identidade.

  • Utilize programas de fidelidade

A grande maioria das farmácias possui programas de fidelidade com grandes benefícios. Mas, além disso, existem programas dos laboratórios, aceitos pelas fármarcias e que podem gerar economia de até 70%. Verifique se sua empresa, plano de saúde, sindicato ou associação de classe profissional possui parceria com alguma rede.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários