Trabalhadores formais procuram bicos para ter renda extra
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL
Trabalhadores formais procuram bicos para ter renda extra

Atualmente, ter um emprego no Brasil pode ser considerado um privilégio por muitos, já que o desemprego atinge 12 milhões de pessoas no país, mas estar no mercado de trabalho não é sinal de tranquilidade financeira. Para conseguir manter as contas em dia, 60% dos brasileiros empregados revelaram que fazem algum tipo de bico para complementar a renda, de acordo com pesquisa da BARE International.

A pesquisa ouviu mais de 1 mil brasileiros durante o fim do ano passado para entender os impactos da alta inflação no consumo e no dia a dia. Ao todo, 76% afirmaram que estão empregados, sendo que mais da metade (56%) não tiveram qualquer reajuste salarial.

A gerente da Bare no Brasil, Tânia Alves, afirma que nem mesmo as economias de gastos estão sendo suficientes. "Em muitos aspectos, nesse período o brasileiro começou a poupar de itens essenciais, como alimentação e moradia, até aqueles menos importantes como entretenimento e serviços de estética. É, de certa forma, esperada essa necessidade de complementar a renda, já que os salários pouco mudaram e não acompanham a inflação", explica.

A especialista em desenvolvimento humano e organizacional Adriana Schneider destaca que muitos segmentos ainda engatinham com as consequências da pandemia do novo coronavírus e, por isso, as condições prejudicaram os trabalhadores para um salário um pouco mais atrativo.

"Há segmentos que já sofriam antes da pandemia e após isso piorou. Alguns foram muito prejudicados, como o de serviços, principalmente eventos, bares e restaurantes. É difícil ter uma remuneração mais alta, o que deve levar muito tempo", afirma ela.

Diante da questão socioeconômica, Adriana avalia que muitos que trabalham formalmente optam por esse segundo trabalho para ganhar renda extra. "Tem sido um caminho para complementar para além de um trabalho CLT, seja usando uma habilidade manual, como cozinhar, artesanato ou trabalhar como motorista de aplicativo", destaca ela.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

A especialista vê nas plataformas sociais uma saída para essas pessoas que buscam outra renda. "O caminho que eu vejo como possível está ligado nas redes sociais, abrindo um negócio vendendo produtos e serviços, assim como também sendo parceiro de indicações de plataformas, oferecendo serviços de agendamento para além da carteira assinada", afirma Adriana.

Bicos feitos pelos brasileiros

  • Revendedora de produtos

Para além das alternativas ditas pelas especialistas, outra renda extra é a revenda de produtos nacionais e importados. Essa prática é bastante comum, em que uma pessoa compra uma quantidade de produtos e itens em lojas de atacado ou em lojas virtuais, por um preço mais acessível ou com desconto vantajoso pela quantidade, e revende por um preço com margem de lucro.

Leia Também

Uma das dicas para não ter prejuízo nesse investimento, é pesquisar algum nicho que realmente tenha demanda de venda. A segmentação do público-alvo, para quem está começando, é uma forma de evitar sobra de estoque e uma forma de atrair e fidelizar de forma mais específica.

Importante dizer que em qualquer estratégia de venda para renda extra é necessário trabalhar o marketing digital, para que as pessoas conheçam seu negócio, ampliando o lucro ao atingir pessoas que estão fora do seu círculo social.

  • Aulas Particulares

A internet permitiu que fosse possível estender a sala de aula para o ambiente virtual. Essa praticidade permite que vários profissionais possam conseguir dar aulas de forma online.

Por isso, uma forma de renda extra é dar aulas sem sair de casa com a vantagem de não ter limitação de atividade. Além de aulas como matemática, redação e outras disciplinas escolares, é possível dar aulas particulares de dança, yoga, música, costura e uma lista extensa.

O benefício é conseguir um dinheiro extra ensinando o que você domina, mas a dificuldade, no início, é conseguir alunos e organizar o tempo das aulas com seu trabalho fixo.

Também é importante distinguir a diferença entre saber fazer e saber ensinar. Antes de apostar nas aulas, avalie sua paciência e didática para transmitir conhecimento de forma clara aos alunos.

Freelancers crescem

Paralelamente ao crescimento dos bicos entre pessoas empregadas, o número de trabalhadores que atuam apenas como freelancers também aumentou consideravelmente neste ano. Outro levantamento, feito pela Closeer, startup que conecta empresas e trabalhadores que procuram jobs, mostrou que 64% dos freelancers aderiram ao modelo em 2021, sendo que 50% deles têm os freelas como única fonte de renda.

Muitos atribuem este cenário à pandemia, mas Walter Vieira, CEO da Closeer, lembra que os vínculos mais flexíveis de trabalho já eram tendência antes da chegada do vírus.

"Essa modalidade não só permite maior liberdade, como também representa mais oportunidades e possibilidades de ganhos maiores aos trabalhadores. Ela já havia se tornado a principal fonte de renda de muitos brasileiros. Com a pandemia, de fato, acabou se tornando uma opção para muitos, mas a tendência é que os autônomos continuem crescendo, por isso incentivamos que todos façam o registro da MEI, garantindo sua segurança previdenciária. Somente em nossa base de profissionais cadastrados no app, o crescimento foi de 60% em 2021", afirma.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários